Filme sobre Femen e nudez ganha prêmio na França; veja fotos do grupo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo tem ganhado força desde o ano retrasado, quando seu país, a Ucrânia, se envolveu em polêmica entre Rússia e UE

Protesto recente do Femen na França: situação na Ucrânia fortalece grupo. Foto: Femen/DivulgaçãoIntegrante do Femen em protesto na Espanha em 23 de abril. Foto: Femen/DivulgaçãoFemen em protesto contra o partido alemão Pegida, em fevereiro. Foto: Femen/DivulgaçãoFemen sobe no carro de Dominique-Strauss, do FMI, em Lille, França, em fevereiro. Foto: Femen/DivulgaçãoIntegrante do Femen em janeiro. Foto: Femen/DivulgaçãoFemen em janeiro. Foto: Femen/DivulgaçãoManifestantes do grupo feminista Femen, protestam contra a desigualdade sexual em Davos, Suiça, nesta quinta-feira (22). Foto: Femen/DivulgaçãoManifestante do grupo Femen foi reprimida pela polícia em Davos, na Suiça, nesta quinta-feira (22). Foto: Femen/DivulgaçãoManifestante tira a roupa em Davos, Suiça, nesta quinta-feira (22). O grupo Femen é conhecido em todo o mundo pelos seus protestos. . Foto: Femen/DivulgaçãoFeministas radicais protestaram em Davos, na Suiça, nesta quinta-feira (22). Foto: Femen/DivulgaçãoAtivista do Femen é afastada por segurança do Vaticano após invadir presépio da Praça São Pedro após pegar o menino Jesus . Foto: Femen/DivulgaçãoRepresentante das forças de segurança do Vaticano empurrou a mulher e depois a cobriu com um casaco . Foto: AP
As forças de segurança do Vaticano e policiais italianos prenderam uma integrante do grupo feminista ucraniano Femen após ela pegar a estátua do Menino Jesus do presépio. Foto: APAtivista do Femen é pega por segurança da Praça de São Pedro, no Vaticano. Foto: APAtivista do Femen invade presépio no Vaticano. Foto: APSeguranças do Vaticano e policiais italianos prenderam integrante do grupo feminista Femen após ela pegar a estátua do Menino Jesus do presépio . Foto: AP21 de Março - Militantes protestaram no evento Semana do Islã, realizado na cidade alemã de Berlim, contra a Sharia, o código moral do islamismo praticado em alguns países e regiões mais fundamentalistas. Foto: Femen/Divulgação21 de Março - Militantes protestaram no evento Semana do Islã, realizado na cidade alemã de Berlim, contra a Sharia, o código moral do islamismo praticado em alguns países e regiões mais fundamentalistas. Foto: Femen/Divulgação21 de Março - Militantes protestaram no evento Semana do Islã, realizado na cidade alemã de Berlim, contra a Sharia, o código moral do islamismo praticado em alguns países e regiões mais fundamentalistas. Foto: Femen/Divulgação24 de Agosto - No Dia da Independência da Ucrânia, militantes fizeram atos solitários ao redor da Europa, sempre com críticas severas a Vladimir Putin. Foto: Femen/Divulgação24 de Agosto - No Dia da Independência da Ucrânia, militantes fizeram atos solitários ao redor da Europa, sempre com críticas severas a Vladimir Putin. Foto: Femen/Divulgação24 de Agosto - No Dia da Independência da Ucrânia, militantes fizeram atos solitários ao redor da Europa, sempre com críticas severas a Vladimir Putin. Foto: Femen/Divulgação24 de Agosto - No Dia da Independência da Ucrânia, militantes fizeram atos solitários ao redor da Europa, sempre com críticas severas a Vladimir Putin. Foto: Femen/Divulgação03 de Julho - Militantes protestaram contra turismo sexual e exploração de mulheres durante a inauguração de um bordel em Saarbrücken, Alemanha. Foto: Femen/Divulgação03 de Julho - Militantes protestaram contra turismo sexual e exploração de mulheres durante a inauguração de um bordel em Saarbrücken, Alemanha. Foto: Femen/Divulgação28 de Janeiro - Militantes protestam contra o que chamam de totalitarismo de Vladimir Putin em Bruxelas, na Bélgica. Foto: Femen/Divulgação28 de Janeiro - Militantes protestam contra o que chamam de totalitarismo de Vladimir Putin em Bruxelas, na Bélgica. Foto: Femen/Divulgação03 de Março - Protesto contra Vladimir Putin em frente ao consulado europeu. Foto: Femen/Divulgação03 de Março - Protesto contra Vladimir Putin em frente ao consulado europeu. Foto: Femen/Divulgação06 de Junho - Ativistas protestam contra indústria do sexo em Montreal durante o Grande Prêmio do Canadá de Fórmula 1. Foto: Femen/Divulgação06 de Junho - Ativistas protestam contra indústria do sexo em Montreal durante o Grande Prêmio do Canadá de Fórmula 1. Foto: Femen/Divulgação22 de Abril - Manifestantes protestam contra partidos de direita na França no que chamam de epidemia fascista. Foto: Femen/Divulgação22 de Abril - Manifestantes protestam contra partidos de direita na França no que chamam de epidemia fascista. Foto: Femen/Divulgação22 de Abril - Manifestantes protestam contra partidos de direita na França no que chamam de epidemia fascista. Foto: Femen/Divulgação1º de Outubro - Militante fez protesto solitário nos EUA contra o estupro, no qual afirmou que roupas não levam a estupros e, sim, estupradores causam estupros. Foto: Femen/Divulgação14 de Maio - Militantes de todo o mundo enviaram fotos ao grupo protestando contra o sequestro de 270 meninas de escola nigeriana praticado pelos rebeldes islâmicos do Boko Haram. Foto: Femen/Divulgação14 de Maio - Militantes de todo o mundo enviaram fotos ao grupo protestando contra o sequestro de 270 meninas de escola nigeriana praticado pelos rebeldes islâmicos do Boko Haram. Foto: Femen/Divulgação16 de Outubro - Intervenção com banho de tinta vermelha simbolizando ucranianos mortos devido à intervenção da Rússia no país foi realizada em uma praça de Milão. Foto: Femen/Divulgação16 de Outubro - Intervenção com banho de tinta vermelha simbolizando ucranianos mortos devido à intervenção da Rússia no país foi realizada em uma praça de Milão. Foto: Femen/Divulgação16 de Outubro - Intervenção com banho de tinta vermelha simbolizando ucranianos mortos devido à intervenção da Rússia no país foi realizada em uma praça de Milão. Foto: Femen/Divulgação16 de Outubro - Intervenção com banho de tinta vermelha simbolizando ucranianos mortos devido à intervenção da Rússia no país foi realizada em uma praça de Milão. Foto: Femen/Divulgação16 de Outubro - Intervenção com banho de tinta vermelha simbolizando ucranianos mortos devido à intervenção da Rússia no país foi realizada em uma praça de Milão. Foto: Femen/Divulgação16 de Outubro - Intervenção com banho de tinta vermelha simbolizando ucranianos mortos devido à intervenção da Rússia no país foi realizada em uma praça de Milão. Foto: Femen/Divulgação17 de Julho - Militantes usaram a tribuna da Câmara dos Senadores da França para protestar contra projetos de lei que tentam criminalizar a prostituição no país. Foto: Femen/Divulgação17 de Julho - Militantes usaram a tribuna da Câmara dos Senadores da França para protestar contra projetos de lei que tentam criminalizar a prostituição no país. Foto: Femen/Divulgação25 de maio - Militantes do Femen ofereceram vacinação simbólica contra o fascismo na UE durante eleições para o Parlamento Europeu, na França. Foto: Femen/Divulgação25 de maio - Militantes do Femen ofereceram vacinação simbólica contra o fascismo na UE durante eleições para o Parlamento Europeu, na França. Foto: Femen/Divulgação 03 de Fevereiro - Militantes atacaram o arcebispo de Madri, Antonio Rouco Varela, um dos principais porta-vozes da luta contra o aborto na Espanha. Foto: Femen/Divulgação 03 de Fevereiro - Militantes atacaram o arcebispo de Madri, Antonio Rouco Varela, um dos principais porta-vozes da luta contra o aborto na Espanha. Foto: Femen/Divulgação02 de Fevereiro - Impulsionadas pela tentativa da Espanha de aprovar uma lei para punir mulheres que praticarem aborto, militantes se juntaram em ato em Paris, na França . Foto: Femen/Divulgação02 de Fevereiro - Impulsionadas pela tentativa da Espanha de aprovar uma lei para punir mulheres que praticarem aborto, militantes se juntaram em ato em Paris, na França . Foto: Femen/Divulgação02 de Fevereiro - Impulsionadas pela tentativa da Espanha de aprovar uma lei para punir mulheres que praticarem aborto, militantes se juntaram em ato em Paris, na França . Foto: Femen/Divulgação03 de Fevereiro - Militantes atacaram o arcebispo de Madri, Antonio Rouco Varela, um dos principais porta-vozes da luta contra o aborto na Espanha. Foto: Femen/Divulgação31 de Janeiro - Impulsionadas pela tentativa da Espanha de aprovar uma lei para punir mulheres que praticarem aborto, militantes se juntaram em ato em Estocolmo, na Suécia. Foto: Femen/Divulgação13 de Junho - Militantes invadem Catedral Almudena, em Madri, na Espanha, para protestar contra lei que pune mulheres que praticam aborto no país. Foto: Femen/Divulgação13 de Junho - Militantes invadem Catedral Almudena, em Madri, na Espanha, para protestar contra lei que pune mulheres que praticam aborto no país. Foto: Femen/Divulgação1º de Outubro - Militante fez protesto solitário nos EUA contra o estupro, no qual afirmou que roupas não levam a estupros e, sim, estupradores causam estupros. Foto: Femen/Divulgação10 de Maio - Militantes do Femen se juntaram a feministas para a Marcha das Vadias israelense, realizada em Tel Aviv. Foto: Femen/Divulgação10 de Maio - Militantes do Femen se juntaram a feministas para a Marcha das Vadias israelense, realizada em Tel Aviv. Foto: Femen/Divulgação10 de Maio - Militantes do Femen se juntaram a feministas para a Marcha das Vadias israelense, realizada em Tel Aviv. Foto: Femen/Divulgação14 de Fevereiro - Grupo lançou campanha em prol do que chama de Sextremismo, os protestos erotizados ou sexuais, no Dia de São Valentim. Foto: Femen/Divulgação 01 de dezembro: Ativista faz ato em frente ao escritório central do Serviço de Segurança da Ucrânia, em Kiev, para protestar contra o desaparecimento de sua irmã . Foto: Femen/Divulgação 01 de dezembro: Ativista faz ato em frente ao escritório central do Serviço de Segurança da Ucrânia, em Kiev, para protestar contra o desaparecimento de sua irmã . Foto: Femen/Divulgação25 de Fevereiro - Ativistas fizeram protesto contra a Rússia em Paris, na França. Foto: Femen/Divulgação25 de Fevereiro - Ativistas fizeram protesto contra a Rússia em Paris, na França. Foto: Femen/Divulgação25 de Fevereiro - Ativistas fizeram protesto contra a Rússia em Paris, na França. Foto: Femen/Divulgação07 de Julho - Ativistas protestam em Londres, Inglaterra, contra a mutilação genital praticada por alguns grupos religiosos. Foto: Femen/Divulgação07 de Julho - Ativistas protestam em Londres, Inglaterra, contra a mutilação genital praticada por alguns grupos religiosos. Foto: Femen/Divulgação07 de Outubro - Militantes se uniram no Moulin Rouge, símbolo-máximo dos bordéis de Paris, na França. O nome do ato, contra a exploração das dançarinas locais, foi Não Estamos à Venda. Foto: Femen/Divulgação07 de Outubro - Militantes se uniram no Moulin Rouge, símbolo-máximo dos bordéis de Paris, na França. O nome do ato, contra a exploração das dançarinas locais, foi Não Estamos à Venda. Foto: Femen/Divulgação14 de Novembro - Três ativistas protestaram contra uma possível visita do papa Francisco ao Parlamento da União Europeia. O ato, contra a proximidade entre Igreja e Estado, ocorreu na Praça São Pedro, no Vaticano. Foto: Femen/Divulgação14 de Novembro - Três ativistas protestaram contra uma possível visita do papa Francisco ao Parlamento da União Europeia. O ato, contra a proximidade entre Igreja e Estado, ocorreu na Praça São Pedro, no Vaticano. Foto: Femen/Divulgação14 de Novembro - Três ativistas protestaram contra uma possível visita do papa Francisco ao Parlamento da União Europeia. O ato, contra a proximidade entre Igreja e Estado, ocorreu na Praça São Pedro, no Vaticano. Foto: Femen/Divulgação14 de Novembro - Três ativistas protestaram contra uma possível visita do papa Francisco ao Parlamento da União Europeia. O ato, contra a proximidade entre Igreja e Estado, ocorreu na Praça São Pedro, no Vaticano. Foto: Femen/Divulgação05 de Junho - Militante enfia estaca em boneco de cera de Vladimir Putin no Museu Grévin, em Paris. Ato simbolizou o assassinato do premiê russo, chamado pelo grupo de sugador de sangue do Kremlin . Foto: Femen/Divulgação05 de Junho - Militante enfia estaca em boneco de cera de Vladimir Putin no Museu Grévin, em Paris. Ato simbolizou o assassinato do premiê russo, chamado pelo grupo de sugador de sangue do Kremlin . Foto: Femen/Divulgação24 de Setembro - Militantes saíram às ruas de Paris, na França, para protestar contra o Estado Islâmico, que matou milhares na Síria e no Iraque em 2014. Foto: Femen/Divulgação24 de Setembro - Militantes saíram às ruas de Paris, na França, para protestar contra o Estado Islâmico, que matou milhares na Síria e no Iraque em 2014. Foto: Femen/Divulgação04 de dezembro - Ativistas da Alemanha, Ucrânia, França e Canadá posam nuas em apoio à colega Josephine Witt, presa em protesto dentro de igreja. Foto: Femen/Divulgação04 de dezembro - Ativistas da Alemanha, Ucrânia, França e Canadá posam nuas em apoio à colega Josephine Witt, presa em protesto dentro de igreja. Foto: Femen/Divulgação27 de Outubro - Sextremistas do Femen protestaram contra a morte da iraniana Reyhaneh Jabbari, condenada e executada pelo governo de seu país por matar um homem que a havia estuprado. O ato ocorreu em frente à embaixada do Irã em Berlim, Alemanha. Foto: Femen/Divulgação27 de Outubro - Sextremistas do Femen protestaram contra a morte da iraniana Reyhaneh Jabbari, condenada e executada pelo governo de seu país por matar um homem que a havia estuprado. O ato ocorreu em frente à embaixada do Irã em Berlim, Alemanha. Foto: Femen/Divulgação27 de Outubro - Sextremistas do Femen protestaram contra a morte da iraniana Reyhaneh Jabbari, condenada e executada pelo governo de seu país por matar um homem que a havia estuprado. O ato ocorreu em frente à embaixada do Irã em Berlim, Alemanha. Foto: Femen/Divulgação27 de Outubro - Sextremistas do Femen protestaram contra a morte da iraniana Reyhaneh Jabbari, condenada e executada pelo governo de seu país por matar um homem que a havia estuprado. O ato ocorreu em frente à embaixada do Irã em Berlim, Alemanha. Foto: Femen/Divulgação07 de Março - Na praça Times Square, em Nova York, ativistas protestaram contra as ações da Rússia na Ucrânia. Foto: Femen/Divulgação07 de Março - Na praça Times Square, em Nova York, ativistas protestaram contra as ações da Rússia na Ucrânia. Foto: Femen/Divulgação07 de Março - Na praça Times Square, em Nova York, ativistas protestaram contra as ações da Rússia na Ucrânia. Foto: Femen/Divulgação14 de Julho - Militante faz protesto solitário pela soltura da piloto ucraniana Nadezhda Savchenko, presa em Voronezh, na Rússia. Ato ocorreu no Festival Internacional de Filmes de Odessa, na Ucrânia. Foto: Femen/Divulgação14 de Julho - Militante faz protesto solitário pela soltura da piloto ucraniana Nadezhda Savchenko, presa em Voronezh, na Rússia. Ato ocorreu no Festival Internacional de Filmes de Odessa, na Ucrânia. Foto: Femen/Divulgação24 de Novembro - Ativista protesta contra visita do papa Francisco ao Parlamento da União Europeia. O ato ocorreu dentro de uma catedral da cidade francesa de Alsácia, localizada na única região da França onde Estado e Igreja não são legalmente separados. Foto: Femen/Divulgação07 de Fevereiro - Militantes fazem ensaio satirizando o início dos Jogos de Inverno de Sochi, na Rússia. Para o grupo, os vencedores do torneio liderado pela ditadura, repressão e corrupção são treinados pelo cruel Putin. Foto: Femen/Divulgação

Meses antes do ataque terrorista ao jornal satírico "Charlie Hebdo", ocorrido em janeiro na cidade de Paris, o termo em francês "Je Suis" (somos todos) já vinha sendo usado para defender uma causa política clara e específica. Lançado no ano passado, o documentário "Je Suis Femen" conquistou, no último domingo (26), o Audience Award – prêmio votado pelo público – do tradicional Festival Internacional de Filmes de Liège, na França.

Leia também:
Nudez do Femen ganha força com crise na Ucrânia; veja fotos
Ativistas do Femen atacam carro de ex-diretor do FMI em tribunal
Ativista do Femen pega Jesus na manjedoura em presépio no Vaticano

Cartaz do documentário
Divulgação
Cartaz do documentário "Je Suis Femen"

Dirigido pelo cineasta suíço Alain Margot, o longa mostra as ações e objetivos do grupo que nos últimos sete anos tem atraído a atenção do mundo com seus atos marcados por nudez e teatralidade bárbara, sempre com o objetivo de denunciar práticas autoritárias, de corrupção e preconceito ocorridas na Europa – mais especificamente, no país de origem do grupo, a pobre e fechada Ucrânia.

No longa de 95 minutos sobre feminismo e oposição às autoridades, Margot procura mostrar quem são as mullheres por trás do Femen, revelando os segredos da organização e suas táticas de protesto para colocar em prática o que ficou conhecido como "sextremismo".

A honraria recebida nesta semana é a segunda desde o lançamento do documentário, também premiado com o prêmio do júri do Visions du Réel, o festival internacional de filmes de Nyon, na Suíça.

Leia tudo sobre: femen

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas