Grupo tem ganhado força desde o ano retrasado, quando seu país, a Ucrânia, se envolveu em polêmica entre Rússia e UE

Meses antes do ataque terrorista ao jornal satírico "Charlie Hebdo" , ocorrido em janeiro na cidade de Paris, o termo em francês "Je Suis" (somos todos) já vinha sendo usado para defender uma causa política clara e específica. Lançado no ano passado, o documentário "Je Suis Femen" conquistou, no último domingo (26), o Audience Award – prêmio votado pelo público – do tradicional Festival Internacional de Filmes de Liège, na França.

Leia também:
Nudez do Femen ganha força com crise na Ucrânia; veja fotos
Ativistas do Femen atacam carro de ex-diretor do FMI em tribunal
Ativista do Femen pega Jesus na manjedoura em presépio no Vaticano

Cartaz do documentário
Divulgação
Cartaz do documentário "Je Suis Femen"

Dirigido pelo cineasta suíço Alain Margot, o longa mostra as ações e objetivos do grupo que nos últimos sete anos tem atraído a atenção do mundo com seus atos marcados por nudez e teatralidade bárbara, sempre com o objetivo de denunciar práticas autoritárias, de corrupção e preconceito ocorridas na Europa – mais especificamente, no país de origem do grupo, a pobre e fechada Ucrânia.

No longa de 95 minutos sobre feminismo e oposição às autoridades, Margot procura mostrar quem são as mullheres por trás do Femen, revelando os segredos da organização e suas táticas de protesto para colocar em prática o que ficou conhecido como "sextremismo".

A honraria recebida nesta semana é a segunda desde o lançamento do documentário, também premiado com o prêmio do júri do Visions du Réel, o festival internacional de filmes de Nyon, na Suíça.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.