ONU pede à União Europeia que amplie perspectiva sobre imigração

Por Agência Brasil * | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para os responsáveis da ONU, a União Europeia deve olhar "além da atual situação e trabalhar com os países de origem e trânsito para eliminar o sofrimento dos migrantes e refugiados"

Os responsáveis pelas principais agências mundiais de migração, refugiados e direitos humanos, da Organização das Nações Unidas (ONU), pediram nesta quinta-feira (23) à União Europeia (UE) que amplie a atual perspectiva minimalista em matéria de imigração.

Os representantes da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al Husein, e para os Refugiados, António Guterres, e o diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), William Lacy Swing, divulgaram declaração conjunta sobre a resposta europeia à crise no Mar Mediterrâneo.

Oficial da marinha italiana dá instruções aos imigrantes esperando para desembarcar no porto de Messina, na Sicília, na Itália . Foto: APJornalistas aguardam a chegada dos botes com os sobreviventes dos naufrágios no porto de Catânia, na Itália . Foto: APNesta imagem tirada de vídeo disponibilizado pela Guarda Costeira italiana, navio de resgate  faz operação salvamento no mar Mediterrâneo, ao sul da ilha de Lampedusa. Foto: AP/Reprodução de TV A operação de salvamento tenta buscar sobreviventes de um barco que transportava imigrantes e capotou ao norte da Líbia. Foto: AP/GettyImages/ReproduçãoImigrantes recebem ajuda de profissionais de resgate médico no porto italiano de Messina. Foto: AP/Reprodução de TV Imigrantes na Itália . Foto: APMembro da Cruz Vermelha carrega bebê enrolado em um cobertor após os imigrantes sicilianos desembarcaram em Porto de Empedocle, no último dia 13 de abril. Foto: AP

Eles consideraram que a "perspectiva minimalista" da UE ficou evidente com o primeiro conjunto de medidas que o bloco comunitário anunciou, no início da semana, para responder à crise da imigração no Mediterrâneo.

As medidas da UE procuram ser uma resposta à escalada sem precedentes da saída incessante de embarcações da Líbia, com destino à Europa, que naufragam frequentemente, como o acidente que no último fim de semana causou a morte de cerca de 800 migrantes.

"[A perspetiva do] cumprimento das leis não vai resolver o problema da migração irregular, e apenas pode aumentar os riscos e abusos que sofrem os migrantes e refugiados", disseram os representantes da ONU.

Leia mais:

"Paguei R$ 7 mil por viagem", diz imigrante sobrevivente de naufrágio

Quem são os traficantes de imigrantes do Mediterrâneo?

Erro de capitão e superlotação de navio provocaram acidente que matou 800

António Guterres e William Swing participam das operações de socorro aos migrantes resgatados no Mediterrâneo, quando chegam a solo europeu, principalmente na Itália e na Grécia.

Para os responsáveis da ONU, a UE deve olhar "além da atual situação e trabalhar com os países de origem e trânsito para eliminar o sofrimento dos migrantes e refugiados". A solução, segundo eles, passa por aliviar os fatores que levam as pessoas a realizar travessias marítimas tão perigosas e desesperadas.

Guterres e Swing recomendaram que a ação coletiva da UE inclua, em primeiro lugar, uma operação de busca e socorro importante, proativa e com recursos suficientes para a missão de salvar vidas, e destacaram a importância de criar canais suficientes de imigração regular e segura.

Outro elemento fundamental, na opinião deles, é que a UE se comprometa a receber mais refugiados do que aqueles atualmente aceitos, para ter um verdadeiro impacto.

*Agência Lusa

Leia tudo sobre: imigrantesimigraçãoONUUEunião européiadireitos humanos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas