Ele foi condenado por incidentes violentos que resultaram na morte de manifestantes em dezembro de 2012, em Cairo

O presidente deposto do Egito Mohamed Morsi foi condenado nesta terça-feira a 20 anos de prisão por incidentes violentos que resultaram na morte de manifestantes em dezembro de 2012, em frente ao Palácio Presidencial, no Cairo. Este é o primeiro veredicto e ainda cabe recurso.

Mohamed Morsi está detido e responde a vários outros processos
AP (21.04.15)
Mohamed Morsi está detido e responde a vários outros processos

Os manifestantes protestavam contra um decreto que ampliava os poderes do Executivo.

Outras 12 pessoas ligadas à Irmandade Muçulmana foram julgadas com Morsi. Eles foram condenado por uso de força, violência, prisão de pessoas, maus tratos e tortura, os quais acabaram terminando em mortos. O grupo, porém, foi absolvido das acusações de homicídio e posse de arma.

Relembre:  Exército do Egito depõe islamita Morsi e anuncia suspensão da Constituição

Leia também: Morsi descarta renúncia em meio a protestos e pressão militar

Especial: Veja especial do iG sobre a Primavera Árabe

Apesar de poder recorrer da sentença, Morsi permanece detido por outros processos judiciais, como insultos ao Poder Judiciário, fuga de prisão e entrega de informações confidenciais a países e organizações estrangeiras.

Morsi foi deposto em julho de 2013, em um golpe militar liderado pelo então chefe do Exército e atual presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, depois de vários dias de protestos pelo país. O novo governo declarou uma caça à Irmandade Muçulmana, considerada terrorista. Morsi foi o primeiro presidente eleito no Egito depois da Primavera Árabe

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.