OMS contabiliza 944 mortos e mais de 3 mil feridos no Iêmen em apenas um mês

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Falta de segurança levou Organização Internacional das Migrações a anunciar suspensão da retirada de estrangeiros

Agência Brasil

O conflito no Iêmen já matou 944 pessoas e deixou 3.487 feridos desde o dia 19 de março, segundo novo balanço divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), nesta terça-feira (21). Os dados são do dia 17 de abril.

Veja imagens de ataque terrorista que matou 130 pessoas no mês passado:

Explosões causadas por homens-bomba mataram pelo menos 130 pessoas no Iêmen nesta sexta-feira (20/03/2015). Foto: AP PhotoAs mesquitas atacadas no Iêmen  são conhecidas por serem majoritariamente usadas pelo grupo muçulmano xiita Houthi, que controla grande parte do norte do Iêmen. Foto: AP PhotoAtaque terrorista no Iêmen: as mesquitas teriam sido atacadas por homens-bomba durante o período de orações da tarde. Foto: AP PhotoEstado Islâmico assumiu o ataque terrorista desta sexta-feira (20) que matou mais de uma centena de pessoas no Iêmen. Foto: AP PhotoSegundo relatos, homens suicidas explodiram bombas dentro de duas mesquitas na capital do Iêmen, Sanaa. Foto: AP PhotoO ataque terrorista no Iêmen, que matou mais de cem pessoas, pode ser o segundo do Estado islâmico na mesma semana – o grupo também assumiu o ataque na Tunísia. Foto: AP PhotoO Estado Islâmico teria atacado três mesquitas no Iêmen, duas na capital Sanaa e uma na cidade de Saada. Foto: AP Photo

O balanço foi elaborado a partir de dados fornecidos por estabelecimentos de saúde no país. Para a OMS, o número real de vítimas do conflito é provavelmente superior, já que muitas delas não recorrem a hospitais para tratamento. O balanço não distingue civis e membros das forças em conflito.

Leia mais:
Ataques a mesquitas no Iêmen deixam mortos; Estado Islâmico reivindica autoria

Uma coligação militar de países árabes sunitas liderada pela Arábia Saudita lançou, no final de março, uma ofensiva aérea contra milícias xiitas huthis do Iêmen que, em fevereiro, tomaram a capital do país, Sanaa.

A falta de segurança levou a Organização Internacional das Migrações (OIM) a anunciar, nesta terça-feira, a suspensão temporária da retirada de estrangeiros do Iêmen. A organização informou que, desde o início da operação de retirada de estrangeiros, no dia 12 de abril, mais de 400 pessoas foram enviadas a Cartum, no Sudão.

Leia também:
Comitê da Cruz Vermelha enviará ajuda humanitária ao Iêmen
Al-Qaeda do Iêmen reivindica atentado na França
Rebeldes xiitas controlam Porto de Aden, o principal do Iêmen

De acordo com o porta-voz Joel Millman, ainda há no Iêmen cerca de 16 mil estrangeiros que desejam sair do país.

Leia tudo sobre: organização mundial de saúdeonuoms

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas