Após naufrágios dos últimos dias, mais de mil migrantes seguem desaparecidos no mar; travessias têm matado milhares

Agência Brasil

O comissário europeu para a Migração, Dimitris Avramopoulos, apresentou, nesta segunda-feira (20), um plano com dez ações imediatas para prevenir novas tragédias no Mar Mediterrâneo. Ele divulgou a lista durante uma reunião extraordinária de ministros dos Negócios Estrangeiros e do Interior da União Europeia, realizada em Luxemburgo.

Leia mais:
"É um genocídio", diz premiê após barco naufragar com 700 pessoas a bordo

Entre as ações estão o aumento das operações da União Europeia no Mediterrâneo, com reforço do financiamento e dos meios disponíveis de patrulha. O plano será apreciado na próxima quinta-feira (23) pelos líderes europeus, convocados em caráter extraordinário pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, após o naufrágio que deixou pelo menos 700 mortos no fim de semana.

O plano prevê também um “esforço sistemático” para capturar e destruir embarcações utilizadas pelos traficantes de seres humanos, encontros regulares entre instituições como Europol (abreviatura de Serviço Europeu de Polícia), Frontex (sigla, em inglês, para Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia) e Eurojust (sigla, em inglês, para Unida da União Europeia para Cooperação Judicial), projetos-piloto de integração de requerentes de asilo, e intensificação do diálogo com os países do Norte de África, entre outras ações com caráter de urgência.

Leia também:
Em novo naufrágio, barco com 300 imigrantes afunda no Mediterrâneo
Novo naufrágio no Mediterrâneo deixa pelo menos 20 mortos
Papa pede medidas urgentes para evitar tragédias no Mediterrâneo

"Essas dez ações com as quais hoje acordamos são medidas diretas e substanciais que tomaremos para fazer a diferença no horizonte imediato", informa nota oficial conjunta da alta representante da UE para Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini, e do comissário para a Migração. "Todas [as medidas] exigem o nosso esforço comum, das instituições europeias e dos 28 Estados-membros. Vamos apresentar estas propostas ao Conselho Europeu para discutir a situação no Mediterrâneo."

* Com Agência Lusa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.