Muçulmanos assassinam 12 cristãos ao jogá-los ao mar em travessia à Itália

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Autoridades afirmam que os migrantes foram vítimas de intolerância religiosa; embarque de passageiros foi na Líbia

AP

A crise de imigração na Itália foi marcada por um episódio de imensa intolerância religiosa nesta quinta-feira (16), quando autoridades da Sicília divulgou que um grupo de muçulmanos empurrou ao mar 12 cristãos em uma travessia recente da Líbia para o litoral europeu.

Migrantes oriundos da Líbia recebem atendimento de autoridades na Sicília, nesta quinta-feira
AP
Migrantes oriundos da Líbia recebem atendimento de autoridades na Sicília, nesta quinta-feira

A polícia de Palermo afirma ter detido 15 pessoas suspeitas de terem praticado o ato em alto mar, que culminou na morte de todos os 12 cristãos. A denúncia foi feita por sobreviventes nigerianos e ganeses da embarcação, um pequeno bote de plástico, resgatados pelas autoridades do mar na manhã desta quinta-feira.

Leia mais:
Imigrantes morrem em naufrágio no Mar Negro
Barco de refugiados tomba perto da Turquia; seis pessoas morrem

Todos os suspeitos foram acusados de múltiplo homicídio com o agravante de o ato ter sido cometido como consequência da intolerância religiosa, afirmou a polícia em comunicado.

Os sobreviventes dizem ter embarcado no bote, ocupado por 105 passageiros, na costa da Líbia, na última terça-feira (14). Eles fazem parte da leva de migrantes que têm aproveitado as águas calmas e o clima quente dos últimos dias para fazer a arriscada travessia a Líbia, de onde boa parte das operações são originadas, à Itália.

Relembre grandes tragédias pelo mundo ocorridas em 2014:

O voo MH 370 da Malaysia Airlines desapareceu misteriosamente em março com 239 pessoas a bordo. Até agora não foi encontrado vestígio do avião (30/04). Foto: APImagem divulgada pela Austrália mostra local onde estaria avião desaparecido da Malásia. Ainda estão investigando o caso (12/12). Foto: Reoprodução/TwitterO temido tufão Hagupit, que varreu as Filipinas de leste a oeste, deixou pelo menos 27 mortos no país (8/12). Foto: ReutersMoradores das áreas costeiras precisaram deixar suas casas para evitar uma catástrofe ainda maior e 18 morreram na ilha de Samar, segundo a Cruz Vermelha (8/12). Foto: ReutersAo menos 29 morreram quando avalanche surpreendeu turistas e montanhistas do Himalaia no famoso circuito de Annapurna (17/10). Foto: ReutersEntre as vítimas estavam nepaleses, israelenses, canadenses, indianos, eslovacos e poloneses. Quem sobreviveu conta ter caminhado por 'trilha de corpos. Foto: ReutersIncêndio em uma mina de carvão na cidade de Soma, Turquia, matou 301 trabalhadores em maio (20/05). Foto: APAcidente provocou onda de protesto contra o então premiê Recep Tayyip Erdogan, eleito presidente do país meses depois (14/05). Foto: APEnchentes na Sérvia e Bósnia obrigaram mais de 24 mil a deixarem suas casas. Mais de 35 morreram (17/05). Foto: APÀ época, premiê sérvio afirmou que aquela era considerada a pior chuva na região dos Balcãs em mais de um século (17/05). Foto: APAutoridades mexicanas informaram que cerca de 30 mil turistas foram para abrigos durante a passagem do tufão Odile pelo México (15/09). Foto: APEm Los Cabos, destino turístico mexicano, o fenômeno deixou seis mortos, entre eles turistas estrangeiros (14/09). Foto: Claudio Vargas/ReutersPelo menos 420 morreram e 350 mil foram afetados pelas enchentes das chuvas de monções na Índia e Paquistão (6/09). Foto: DANISH ISMAIL/REUTERS/NewscomNa Caxemira, chuvas deixaram mais de 420 mortos , além de milhares de presos nos telhados de casas (5/09). Foto: APJapão registra seis mortos após passagem do Tufão Phanfone (13/10). Foto: ReutersPelo menos quatro morreram e 54 ficaram feridos após terremoto de 6,1 graus de magnitude atingir província chinesa de Sichuan (3/08). Foto: ReutersEsse tremor  foi registrado a 18 quilômetros de profundidade sob a pequena cidade de Tagong, afetando mais de 55 mil pessoas (3/08). Foto: ReutersImagem mostra a Província de Paruro antes de terremoto atingir a região e deixar oito mortos no Peru (28/09). Foto: google imagens/reproduçãoTerremoto de 6 graus atingiu região norte da Califórnia e deixou ao menos três feridos em Napa. Terremoto foi o mais forte em 25 anos (24/08). Foto: APPelo menos 39 ficaram feridos após terremoto chegar a 6,8 graus na escala Richter e atingir Hakuba, na região de Nagano, Japão (arquivo). Foto: Toru Hanai/REUTERS/NewscomTerremoto de 5,1 graus sacudiu a capital do Equador, Quitom, e deixou pelo menos três mortos (arquivo). Foto: ReutersAo menos 47 morreram após erupção vulcânica no Monte Ontake, que fica em Nagano, região central do Japão (30/09). Foto: ReutersCentenas faziam caminhada próximo ao vulcão, mas a maioria conseguiu deixar a área ou ser retirada do local em segurança (arquivo). Foto: APMais de 2 mil morreram após deslizamento de terra na província de Badakhshan, Afeganistão. Incidente foi resultado de fortes chuvas no país (3/05). Foto: APDeslizamento soterrou até 300 casas - um terço das moradias do local - e deixou milhares desaparecidos por dias. Moradores ajudavam nos resgate com pás (3/05). Foto: APNaufrágio de uma balsa na Coreia do Sul matou ao menos 300 passageiros - a maioria deles estudantes - enquanto seguia para passeio em ilha turística em abril (arquivo). Foto: ReutersUm total de 476 passageiros estavam a bordo do navio e apenas 172 foram resgatados. Balsa seguia para passeio turístico quando naufragou (16/04). Foto: ReutersAvião malaio com 298 pessoas a bordo (283 passageiros e 15 tripulantes) caiu na Ucrânia perto da fronteira russa quando ia de Amsterdã a Kuala Lumpur (18/07). Foto: ReutersSegundo a Ucrânia, o Boeing 777 da Malaysia Airlines foi abatido, mas tanto o governo russo quanto separatistas negaram a acusação (18/07). Foto: Reuters

Durante a travessia, migrantes cristãos da Nigéria e Gana foram obrigados por outros 15 passageiros, oriundos da Costa do Marfim, Senegal, Mali e Guiné-Bissau, a abandonarem a embarcação e pularem ao mar. O comunicado diz que a justificativa para a violência foi o fato de as vítimas seguirem a fé cristã, enquanto os agressores eram todos muçulmanos.

Leia também:
Quatro imigrantes morrem em naufrágio em frente à costa do Marrocos
Mais de 20 pessoas morrem após barco virar na Índia

Mais cedo, nesta quinta-feira, a Organização Internacional de Migração resgatou quatro migrantes, parte de uma leva de outros 580 que ia à Europa, da qual 41 morreram. A entidade disse que o grupo – três nigerianos e um ganense – foram encontrados por um helicóptero flutuando no mar. Eles haviam deixado Trípoli, capital líbia, no sábado (11), e permaneceram no barco ao longo de quatro dias.

As recentes tragédias vêm dias depois de agências internacionais divulgarem terem encontrado 400 pessoas mortas em decorrência do naufrágio do navio que as transportavam para a Europa, próximas à costa da Líbia. As mortes elevaram o alerta na região para o aumento de buscas e resgates nos mares entre a Líbia e o continente europeu no momento de boom de uma onda de imigração de cidadãos do Oriente Médio e da África em direção à Itália.

Leia tudo sobre: líbiaitáliamuçulmanoscristãosintolerância religiosa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas