Muhammadu Buhari afirma não saber se as mais de 200 jovens poderão ser resgatadas pois desconhece seus paradeiros

Agência Brasil

O presidente eleito da Nigéria, Muhammadu Buhari, disse nesta terça-feira (14) que não pode prometer que vai encontrar as 219 alunas raptadas pelo grupo radical Boko Haram há exatamente um ano.

Cenário:  Testemunhas relatam terror do Boko Haram um ano após raptos

Terror:  "Sou cristã, educadora e alvo do Boko Haram", diz refugiada da Nigéria no Brasil

“Não sabemos se as jovens de Chibok podem ser resgatadas. O seu paradeiro permanece desconhecido. Gostaria muito, mas não posso prometer que vamos encontrá-las”, afirmou em comunicado.

“Mas eu digo a todos os pais, familiares e amigos das crianças que o meu governo vai fazer tudo o que estiver ao seu alcance para trazê-las de volta para casa”, acrescentou.

A Nobel da Paz Malala Yousafzai acusou, nessa segunda-feira (13), os governantes nigerianos e a comunidade internacional de não fazer o suficiente para que as 219 jovens, mantidas em cativeiro pelo grupo Boko Haram, sejam libertadas.

"Na minha opinião, os líderes nigerianos e a comunidade internacional não têm feito o suficiente para conseguir a liberdade delas”, escreveu a ativista em carta dirigida às adolescentes, na véspera de completar um ano do rapto.

Na noite de 14 de abril do ano passado, o grupo Boko Haram raptou 276 adolescentes de uma escola da localidade de Chibok, no estado de Borno, no Nordeste da Nigéria.

Do total, 57 conseguiram fugir. Não se sabe onde estão as outras. Elas foram vistas pela última vez em um vídeo divulgado pelo Boko Haram em maio.

O líder do grupo radical, Abubakar Shekau, disse que todas as adolescentes foram convertidas ao Islã e obrigadas a casar.

Malala criticou o ex-presidente da Nigéria Goodluck Jonathan por não ter feito o suficiente para libertar as jovens raptadas.  Ela elogiou, no entanto, o presidente eleito, Muhammadu Buhari, por ter prometido dar prioridade ao resgate das adolescentes e não tolerar mais violência contra as mulheres.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.