Em reunião histórica, Obama e Raúl Castro trocam afagos

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Chefes de estado dos Estados Unidos e Cuba comemoram aproximação, mas mantêm pontos de vistas antagonistas em questões diversas, como Venezuela e Porto Rico

BBC

Barack Obama e Raúl Castro se encontram na Cúpula das Américas, na Cidade do México (11/04/2015)
AP Photo
Barack Obama e Raúl Castro se encontram na Cúpula das Américas, na Cidade do México (11/04/2015)

Na primeira Cúpula das Américas com a presença de Cuba, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o líder cubano, Raúl Castro, enalteceram a reaproximação entre os dois países e trocaram votos para acelerar o processo.

Estreante no encontro, que teve sua primeira edição em 1994, Raúl usou boa parte dos 49 minutos de seu discurso para condenar intervenções dos Estados Unidos na América Latina e louvar o histórico da Revolução Cubana.

Hoje: Obama não é responsável pelo passado, diz Castro

Papa Francisco pede colaboração entre países da América

Cúpula das Américas começa com cumprimento entre Obama e Castro

Mas ele afirmou que Obama "não tem nada a ver" com as ações passadas de seu país e disse que o americano é um "homem honesto".

Segundo Raúl, Obama "tem origem humilde, e sua forma de ser obedece essa origem".

O cubano parecia muito à vontade. Bastante aplaudido e com um sorriso largo no rosto, ele quebrou o protocolo ao iniciar seu discurso com um desabafo antes de cumprimentar os demais líderes: "Já era hora que eu falasse aqui".

Obama fez seu pronunciamento antes de Raúl. Referindo-se às tratativas com os cubanos, ele afirmou que os "Estados Unidos não serão aprisionados pelo passado".

Ele disse que Estados Unidos e Cuba continuarão a ter suas diferenças, mas que ambos podem se beneficiar da reaproximação.

Segundo Obama, a retomada dos laços entre os dois países fará com que mais americanos viajem a Cuba e trará vantagens econômicas às duas nações.

"Os Estados Unidos estão focados no futuro. Não estamos presos a ideologias, pelo menos eu não estou."

Leia também: Dilma e Barack Obama se reúnem hoje no Panamá durante Cúpula das Américas

Dirigindo-se ao presidente do Equador, Rafael Correa, que em seu discurso havia feito várias críticas aos Estados Unidos, ele disse não estar "interessado em ter batalhas que começaram antes que eu nasci".

Embargo

Cuba e Estados Unidos romperam as relações na década de 1950, em meio à Guerra Fria. Desde então, por pressão de Washington, Cuba está ausente de organismos e reuniões inter-americanas que incluem os Estados Unidos.

O evento no Panamá é a primeira ocasião em mais de cinco décadas em que os líderes dos dois países se sentam na mesma mesa numa reunião regional.

Veja quem está participando da Cúpula das Américas:

Durante discurso na Cúpula das Américas, Raúl Castro isentou Obama de responsabilidades (11/04/2015). Foto: AP PhotoDurante discurso na Cúpula das Américas, no Panamá, Raúl Castro comemorou o retorno de Cuba ao encontro de líderes internacionais. Foto: AP PhotoBarack Obama e Raúl Castro se encontram na Cúpula das Américas, na Cidade do México (11/04/2015). Foto: AP PhotoA Cúpula das Américas deste ano marcou a reaproximação entre EUA, de Barack Obama, e Cuba, de Raúl Castro. Foto: AP PhotoDilma participa da 7ª Cúpula das Américas. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos PúblicasDilma participa da 7ª Cúpula das Américas. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos PúblicasDilma participa da 7ª Cúpula das Américas. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos PúblicasDilma participa da 7ª Cúpula das Américas. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos PúblicasDilma participa da 7ª Cúpula das Américas e de encontros bilaterais
. Foto: Stuckert Filho / PR/ Fotos Públicas



Raúl agradeceu o apoio dos demais países latino-americanos para que Cuba passasse a integrar o encontro e se disse aberto a avançar com o diálogo com os Estados Unidos.

Ele ponderou, porém, que "uma coisa é estabelecer relações diplomáticas, outra coisa é o embargo", cobrando Washington a pôr fim ao bloqueio econômico a Cuba.

Obama já defendeu a queda do embargo, mas a medida depende do Congresso americano, controlado pela oposição.

Raúl disse ainda que a declaração de Obama de que decidirá rapidamente sobre a remoção de Cuba da lista americana de Estados patrocinadores do terrorismo "é um passo positivo".

Há grande expectativa de que Obama anuncie a medida durante a cúpula.

Apesar da clara mudança no tom de seu discurso, Raúl reforçou algumas posições tradicionais de Cuba que contrariam os interesses americanos.

Ele afirmou que seguirá apoiando o território americano de Porto Rico "a alcançar sua autodeterminação e independência" e condenou a Casa Branca pela imposição recente de sanções a autoridades venezuelanas. O texto das sanções diz que a Venezuela é uma ameaça à segurança interna dos Estados Unidos.

Segundo Raúl, Caracas "não pode ser uma ameaça à segurança nacional de uma superpotência como os Estados Unidos."

Raúl e Obama voltarão a se encontrar em privado até o fim do dia. O americano também tem reunião privada marcada com a presidente Dilma Rousseff, quando devem definir os detalhes da visita da brasileira a Washington.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas