Passarela "mais perigosa do mundo" reabre após reforma milionária

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Para reativar o antigo trajeto, conhecido como Caminito del Rey, e transformá-lo em atração turística, a administração local gastou 5,5 milhões de euros

BBC

Depois de 25 anos fechada para visitas, a passarela tida como a "mais perigosa do mundo" foi reaberta no interior da província de Málaga, na Espanha.

Para reativar o antigo trajeto, conhecido como Caminito del Rey, e transformá-lo em atração turística, a administração local gastou 5,5 milhões de euros (cerca de R$ 18 milhões) em uma reforma ambiciosa, que construiu uma nova ponte reforçada sobre a antiga.

O Caminito del Rey foi construído no início do século 20 com o objetivo de criar um caminho entre as quedas d'água das represas de El Chorro e El Gaitanejo, de forma a facilitar o trabalho dos operários da hidrelétrica local.

Parte do percurso de mais de 7 km é feito sobre estreitas passarelas que ficam a 100 metros de altura sobre o rio Guadalhorce, no Desfiladeiro dos Gaitanes.

Desde sua criação, o local ficou famoso – especialmente entre amantes de esportes radicais – pelo trajeto arriscado e pelas mortes que aconteceram ali.

Segundo o jornal El País, a abertura do caminho pretende pôr fim a anos de visitas clandestinas, que causaram em acidentes fatais em 1999 e 2000, mesmo depois de o local ter sido fechado e de suas vias de acesso terem sido propositalmente destruídas.

A reforma foi custeada pela Assembleia Legislativa de Málaga, em colaboração com o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional. Cerca de 2,2 milhões de euros foram destinados a criar passarelas reforçadas e o restante do valor foi usado para melhorar o acesso aos turistas.

Segundo a imprensa local, desde sua reabertura, em 28 de março, o Caminito Del Rey já recebeu mais de 9 mil visitantes. Antes mesmo do início das visitas, os ingressos para abril e maio já estavam esgotados.

A administração de Málaga será responsável pelo local durante os próximos seis meses, em que as visitas serão gratuitas.

No entanto, as autoridades ainda não decidiram qual será o modelo de administração da atração turística após esse período.

Visitantes percorrem trajeto de sete quilômetros e passam por pontes e passarelas sobre desfiladeiro
Getty Images
Visitantes percorrem trajeto de sete quilômetros e passam por pontes e passarelas sobre desfiladeiro


Trabalhadores alpinistas

O Camino del Rey foi aberto ao público após um ano de trabalho e três tentativas de restauro, que seguiram "quase o mesmo sistema empregado em sua construção inicial, há mais de 100 anos", disse o diretor da obra, Luis Machuca, ao jornal El País.

"Muitas vezes a tendência dos arquitetos é competir com o entorno, mas nesse caso o projeto teve que se adaptar ao lugar", afirmou.

O projeto foi modificado duas vezes para reduzir seu impacto no entorno e por conta de entraves administrativos. O caminho original, bastante deteriorado, está preservado abaixo do novo.

As novas passarelas são feitas de madeira e protegidas por redes de aço inoxidável. Em trechos mais perigosos, o chão também é feito de uma grade de aço, que impede sua deformação pelo vento e permite ver o fundo do desfiladeiro. Um mirante com o chão de vidro também convida os mais corajosos.

Concluir o projeto em um local tão perigoso só foi possível com uma operação especial. Os trabalhadores responsáveis pela construção são alpinistas e o mestre de obras é um espeleologista (especialista em cavernas). Além disso, a entrega e retirada de materiais foi feita com um helicóptero.

Apesar da procura, o local só deve receber cerca de 600 pessoas por dia, que serão obrigadas a usar capacetes. Crianças menores de 10 anos também não poderão entrar, por razões de segurança.

De acordo com Machuca, a restauração melhorou o acesso e ajudou a reduzir os riscos, mas "os visitantes devem saber que fazer este percurso ainda traz um pequeno risco". No dia 7 de abril, o local foi fechado por precaução devido aos fortes ventos que sopraram no desfiladeiro.

Veja lugares incríveis para se visitar antes que sumam

Veneza, Itália: conhecida por seus inúmeros canais, cidade sinônimo de romantismo pode estar com os dias contados. Foto: Reprodução/YoutubeVeneza, Itália: especialistas afirmam que a área tem sofrido aumento no número de inundações e pode se tornar inabitável até o final deste século. Foto: Wikimedia CommonsMaldivas: a ilha pode ser completamente engolida pela água nos próximos cem anos se o nível do mar continuar a subir. Foto: Wikimedia CommonsMaldivas: o risco é tão evidente que o governo tem comprado terras em outros países para abrigar seus cidadãos. Foto: Wikimedia CommonsMar Morto, Oriente Médio: nos últimos 40 anos, a água rica em magnésio, potássio e cálcio teve seu volume diminuído em um terço. Foto: Wikimedia CommonsMar Morto: pesquisas sugerem que o local pode sumir em menos de 50 anos, já que países vizinhos estão drenando a água do Rio Jordão, que alimenta o Mar. Foto: Getty ImagesMagdalen Islands, Canadá: as praias e falésias de arenito no Golfo de St. Lawrence podem estar com os dias contados por causa do aquecimento global. Foto: Reprodução/YoutubeMagdalen Islands, Canadá: local que recebe saraivada de ventos é protegido por barreira de gelo. Seu derretimento pode culminar no fim da ilha em até 75 anos. Foto: WikiCommonsAlpes: área famosa para praticar ski é suscetível à mudança climática por estar em altitude mais baixa que a das Montanhas Rochosas. Foto: Wikimedia CommonsAlpes: cerca de 3% do gelo glacial alpino desaparece por ano. Especialistas acreditam que as geleiras podem sumir por completo até 2050. Foto: Reprodução/YoutubeIlhas Seychelles: as cerca de 115 ilhas do Oceano Índico estão em perigo por causa da erosão nas praias após devastação de barreira de corais. Foto: Wikimedia CommonsAthabasca Glacier, Canadá: local sofre com o aquecimento do clima e já recuou mais de 1,5 km nos últimos 125 anos. Foto: Wikimedia CommonsParque Nacional Glacier, EUA: o parque já teve mais de 150 geleiras em seus arredores, mas só sobraram 25. Até 2030, esse número pode chegar a zero. Foto: Reprodução/YoutubeAlasca: a tundra é uma das características mais marcantes do Estado, que fica ao norte dos EUA, mas pode estar com os dias contados. Foto: Wikimedia CommonsAlasca: a mudança climática já levou ao degelo da região. Os danos podem alterar drasticamente o ecossistema local. Foto: Wikimedia CommonsGrande Barreira de Corais, Austrália: a maior barreira de corais do mundo está ameaçada pelo aquecimento dos oceanos, poluição, entre outros. Foto: Wikimedia CommonsGrande Barreira de Corais, Austrália: pesquisas indicam que o local pode deixar de existir nos próximos cem anos. Foto: Getty Images


Leia tudo sobre: PassarelaperigosaMálagaespanha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas