Detector de metais estava quebrado, diz funcionário de tribunal em Milão

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Réu entrou no local atirando e deixou quatro mortos, entre eles um juiz; homem foi preso ao tentar fugir em uma moto

Um dos aparelhos de detecção de metal do Tribunal de Milão, na Itália, estava quebrado, de acordo com um funcionário. O local foi palco de um tiroteiro nesta quinta-feira (9) que deixou ao menos quatro mortos.

Mais cedo: Réu abre fogo em tribunal de Milão, Itália, e deixa ao menos quatro mortos

Polícia corre do lado de fora de tribunal em Milão, Itália, depois de tiros terem sido relatados dentro de uma sala de audiência
AP
Polícia corre do lado de fora de tribunal em Milão, Itália, depois de tiros terem sido relatados dentro de uma sala de audiência

De acordo com a ANSA e outras agências de notícias, o suspeito estava no tribunal nesta quinta-feira por causa de um processo de falência. O ataque levantou questões sobre a segurança do local, já que visitantes devem passar por detectores de metal para ter acesso ao tribunal.

O tribunal tem detectores de metal nas quatro principais entradas, mas os advogados e funcionários do tribunal com identificações oficiais entram sem precisar passar pela segurança. Os funcionários que conseguiram escapar relataram que o atirador pode ter facilmente entrado sem passar pelo detector por causa da identificação de seu advogado.

Prisão

A polícia italiana prendeu o autor ataque contra o tribunal. O atirador foi preso em Vimercate, entre Monza e Brianza, e estava de moto. A notícia foi confirmada pelo ministro do Interior da Itália, Angelino Alfano.

Testemunhas relataram que tentaram se esconder em seus escritórios enquanto a polícia caçava o atirador. Os funcionários seguiram para fora do local, mulheres na frente seguidas pelos homens. Todos tiveram seus cartões de identificação do tribunal checados. A ANSA informou que o presidente do tribunal de apelações, Giovanni Canzio, identificou o juiz morto como Fernando Ciampi.

*Com AP e Ansa

Leia tudo sobre: massacre na italiaitaliacanzio

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas