Quênia bombardeia alvos do grupo terrorista al-Shabab na fronteira com a Somália

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com testemunhas, aviação queniana atacou alvos em Gondodowe e Islamil, na região fronteiriça com a Somália

O Quênia bombardeou bases do grupo extremista islâmico al-Shabab, que na semana passada atacou o campus da universidade de Garissa, deixando 148 mortos. De acordo com fontes locais, a aviação queniana atacou alvos em Gondodowe e Islamil, ambas na região fronteiriça com a Somália.

Ontem: Quênia oferece R$ 670 mil por informações sobre mentor de matança 

Soldados das Forças de Defesa do Quênia (KDF) chegam a hospital para escoltar os corpos das  vítimas de ataque terrorista em Garissa (4/04)
AP
Soldados das Forças de Defesa do Quênia (KDF) chegam a hospital para escoltar os corpos das vítimas de ataque terrorista em Garissa (4/04)

Terror: Atirador que atacou universidade do Quênia era filho de funcionário do governo

Testemunhas relataram ter visto nuvens de fumaça provocadas pelas bombas. "Atingimos duas regiões, que, segundo nossos informantes, são de lá que provêm os militantes que fizeram o atentado", disse um porta-voz militar.

O ataque contra a universidade de Garissa, na fronteira com a Somália, ocorreu na última quinta-feira (2). Homens armados invadiram a instituição e fizeram estudantes cristãos de reféns.

Dezenas de pessoas ficaram feridas e ainda há vários desaparecidos, o que pode fazer com que as mortes passem de 150.

A ação foi uma vingança pela intervenção queniana na Somália, no âmbito de uma missão da União Africana. Logo após o ataque, em uma mensagem postada no Twitter, o grupo fundamentalista Al Shabaab prometeu fazer uma guerra "longa e terrível" contra o Quênia caso o país mantenha suas tropas na Somália.

Leia tudo sobre: queniaal shababal-shabab

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas