Chile teme aumento no número de mortos após enchentes

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O número de mortos nas enchentes no Chile chegou a 25 e pode aumentar ainda mais segundo autoridades locais

BBC

Uma série de deslizamentos de terra e enchentes, inesperadas e de grandes proporções, atingiu na semana passada a região do Atacama – onde fica o deserto mais seco do planeta.

Presidente Michele Bachelet visitou vítimas da enchente na região do Atacama
Site oficial - Governo do Chile
Presidente Michele Bachelet visitou vítimas da enchente na região do Atacama

Leia mais:

Vulcão entre em erupção no Chile e 3,5 mil deixam suas casas

Avião que desapareceu com time de futebol é encontrado no Chile

A tragédia natural é a maior na região nos últimos 80 anos e já afetou mais de 30 mil pessoas.

Uma contagem recente de vítimas descobriu 24 novos casos neste fim de semana e elevou o número de desaparecidos para 125. Os desabrigados já somam 2.700.

"É muito doloroso ver meu país nesse estado, mas vamos encontrar soluções", disse a presidente Michelle Bachelet em visita aos locais afetados no sábado.

Cães farejadores estão sendo usados para tentar detectar pessoas soterradas pela lama.

Segundo o correspondente da BBC Gideon Long, grandes quantidades de lama desceram da cordilheira dos Andes devido ao desgelo nas montanhas. Essa lama atingiu a região desértica e agora está se solidificando.

Long afirmou que há uma grande quantidade de pedras e árvores misturadas à lama – o que pode fazer a remoção dos escombros demorar semanas ou até meses.

Equipes de emergência estão recuperando serviços essenciais e levando toneladas de comida e produtos de higiene para a região.

Autoridades afirmaram temer surtos de doenças respiratórias e intestinais provocadas pela grande quantidade de lama e falta de água potável. Mais de 120 mil doses de vacinas contra gripe, hepatite e tétano estão sendo enviadas à região.

As enchentes começaram no último dia 24. O governo declarou estado de emergência e enviou tropas à região.

Vulcão

Enquanto no norte do Chile equipes de resgate lutam contra a lama gerada pelas inundações, no sul do país a preocupação é com um vulcão que pode entrar em erupção.

O vulcão Villarrica, um dos mais ativos da Amércia do Sul, soltou jatos de fumaça na atmosfera durante o fim de semana.

Autoridades chilenas monitoraram a atividade sísmica da região e afirmaram que há grande possibilidade que ele entre em erupção.

No mês passado, o Villarrica entrou em erupção e forçou a remoção de moradores da região da cidade de Pucon.

Leia tudo sobre: ChileenchentesMichele Bachelet

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas