Os periódicos Paris Match e Bild publicaram matérias segundo as quais imagens de celular mostrariam cenário caótico antes da tragédia que deixou 150 mortos nos alpes franceses

Terror, pânico, gritos de desespero. Um suposto vídeo gravado com um celular no momento da queda do avião da Germanwings, na semana passada, ilustraria bem como foram os momentos finais da vida dos 144 passageiros e cinco tripulantes que morreram na tragédia na semana passada. Mas, segundo autoridades francesas, as imagens são falsas.

Veja imagens do acidente que deixou 150 mortos nos alpes franceses:

Segundo a publicação "Paris Match" – que, junto ao jornal alemão Bild, disse ter tido acesso exclusivo às imagens, que no entanto não foram divulgadas – seria possível ouvir no vídeo gritos de "Meu Deus" em diversos idiomas, ao menos três batidas metálicas (provavelmente o comandante da aeronave tentando abrir a porta da cabine com um objeto pesado, enquanto o co-piloto derrubava o avião), gritos que vão ficando cada vez mais altos e, de repente, silêncio total.

Leia mais:
Vídeo do acidente com airbus A320 mostra cena '"caótica" e gritos de passageiros

Ambas as publicações afirmaram ter conseguido as imagens por meio de uma fonte próxima à investigação. No entanto, segundo o Coronel Jean-Marc Menichini, porta-voz das equipes de resgate da aeronave, nenhum dos aparelhos de telefonia celular encontrados no local da tragédia foi checado pela investigação.

Ele classificou a publicação da notícia de "injustificável" e "completamente errada", além de ter rechaçado a possibilidade de algum integrante da equipe de resgates conseguir acesso a arquivos de qualquer um dos celulares de vítimas da queda da aeronave para terceiros.

Leia também:
Copiloto da Germanwings prometia gesto para que todos lembrassem dele
Caso Germanwings: quando um avião fica velho demais para voar?
Seguradoras da Germanwings destinam 279 milhões de euros para indenizações

O repórter Bradd Jaffy, da NBC News, foi o primeiro profissional de um grande veículo a questionar a autenticidade do material. Três horas depois de ter postado em sua página no Twitter os relatos publicados pela Paris Match, ele escreveu na rede social, por volta das 17h30: "O vídeo é falso. Ele sequer existe".

* Com CNN, NBC News e Mashable

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.