O grupo também é apontado como responsável por incendiar casas na véspera da eleição, que foi adiada por problemas

Agência Brasil

O grupo extremista islâmico radical Boko Haram é suspeito da decapitação de 23 pessoas nessa sexta-feira (27), véspera das eleições, em Buratai, no Nordeste da Nigéria, assim como de incendiar casas na localidade, informou um deputado federal à AFP.

Os ataques teriam ocorrido no fim da tarde na região, no dia em que milhões de nigerianos foram chamados a votar nas eleições presidenciais e legislativas do país.

Leia também:  Ataques a seções de votação deixam ao menos 13 mortos na Nigéria

Urnas são abertas na Nigéria para escolher presidente e Parlamento

“Houve um ataque em Buratai, na noite de sexta-feira, feito por homens armados suspeitos de serem insurgentes. Decapitaram 23 pessoas e incendiaram casas”, declarou Mohammed Adamu, que representa a região.

Uma enfermeira do hospital mais próximo, em Biu, declarou que 32 feridos que receberam assistência médica também relataram decapitações durante o ataque.

Neste sábado, vários ataques foram feitos por grupos islamistas radicais em seções de voto no país, deixando pelo menos 13 mortos, segundo números da agência de notícias BBC.

Os extremistas armados dispararam contra os locais de votação e as filas de eleitores que aguardavam a vez de votar.

Algumas seções reabriram depois dos ataques, mas outras permaneceram fechadas, segundo relatos de testemunhas. Muitas pessoas fugiram, assustadas e não regressaram.

Abubakar Shekau, o líder do grupo islamista Boko Haram, ameaçou no mês passado que tentaria impedir o processo eleitoral, que considera em desacordo com o Islã, em vídeo publicado na rede social Twitter.

“Essas eleições não vão ocorrer, mesmo que nos matem. Mesmo que já não estejamos vivos, Alá não o permitirá”, declarou na ocasião.

Em algumas localidades, a Comissão Eleitoral do país suspendeu a votação, na expectativa de poder ser retomada neste domingo (29), devido a problemas técnicos com o novo sistema de credenciamento de eleitores, que não permitia a leitura dos novos cartões com dados biométricos.

Grupo sequestrou meninas; relembre

O próprio presidente do país, Goodluck Jonathan, candidato à reeleição, não conseguiu, de manhã, votar por dificuldades com o novo sistema.

Cerca de 68,8 milhões de nigerianos são chamados às urnas para eleger o novo presidente e o Parlamento, em um ambiente de tensão devido ao risco de violência política e à ameaça de atentados islamitas.

Os candidatos a chefe de Estado são 14, entre os quais se encontra pela primeira vez uma mulher. Participam da disputa, que se prevê acirrada, o atual presidente, Goodluck Jonathan, e o ex-general Muhammadu Buhari, que dirigiu a Nigéria, à frente de uma junta militar, de 1983 a 1985.

*Com informações da Agência Lusa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.