Ataques a seções de votação deixam ao menos 13 mortos na Nigéria

Por iG São Paulo * | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ação terrorista é atribuída ao grupo extremista Boko Haram, que teria avisado para manter a população longe das urnas

Pelo menos 13 pessoas morreram neste sábado (28) em ataques a seções de votação no Nordeste da Nigéria, segundo a agência de notícias BBC. 

Os ataques foram atribuídos ao grupo radical islâmico Boko Haram e ocorreram nas aldeias de Birin Bolawa e Birin Fulani. As duas localidades ficam no distrito de Nafada, no estado de Gombe, que tem sido repetidamente atacado pelos islamitas radicais.

Para evitar as denúncias de fraudes, como ocorreu no último pleito, foram distribuídas diversas cédulas biométricas e leitoras de documentos nas seções eleitorais. Porém, em entrevista à CNN, o porta-voz da Comissão Eleitoral, Nick Dazeng, afirmou que algumas delas apresentaram problemas técnicos e a votação deverá ser realizada neste domingo (29) em várias seções.

Exército faz policiamento ostensivo durante eleição na Nigéria (28.03.15)
AP Photo
Exército faz policiamento ostensivo durante eleição na Nigéria (28.03.15)

De acordo com as primeiras informações, homens armados mascarados chegaram a Birin Bolawa pouco depois do início do credenciamento dos eleitores. Segundo um funcionário eleitoral, os atiradores gritavam que tinham avisado para a população manter-se longe da eleição. O segundo ataque, orquestrado de forma similar aconteceu em Birin Fulani.

Leia também: Urnas são abertas na Nigéria para escolher presidente e Parlamento

Presidente da Nigéria diz ter subestimado grupo radical Boko Haram

Em mensagem em vídeo divulgada no mês passado, o líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, disse que os militantes perturbariam as eleições, que consideram anti-islâmica. “Esta eleição não vai ocorrer, mesmo que estejamos mortos. Mesmo que não estejamos vivos, Alá não vai permitir que a realizem”, disse na ocasião.

Além disso, o grupo terrorista Boko Haram, que domina grande parte do norte da nação, teria decapitado 23 pessoas com serras-elétricas para mostrar seu poder durante as eleições, informou a agência de notícias alemã DPA.

Martha Mark, mãe de Monica Mark, uma das sequestradas em escola nigeriana, chora ao mostrar foto da jovem na casa da família em Chibok, Nigéria (19/05). Foto: APApós possível divisão do grupo de reféns analistas dizem que resgates pode levar anos (8/05). Foto: AFPEstudantes protestam do lado de fora do consulado nigeriano em Nova York, EUA, pelas meninas sequestradas pelo Boko Haram na Nigéria (28/05). Foto: ReutersAluna de uma escola sul-africana, com tradicionais manchas de tinta no rosto, participa de protesto silencioso pelas jovens raptadas na Nigéria (14/05). Foto: APMulher grita durante manifestação incitando o Governo a agilizar o resgate das meninas sequestradas, em Abuja, Nigéria (11/05). Foto: APAtivistas participam da campanha 'Tragam nossas meninas de volta durante vigília realizada no Dia das Mães em Los Angeles, EUA (11/05). Foto: ReutersQuatro estudantes que conseguiram escapar do sequestro feito pelo grupo Boko Haram em escola de Chibok, Nigeria (2/05). Foto: APAbubakar Shekau, suposto líder do grupo extremista Boko Haram, fala sobre o sequestro de estudantes no nordeste na Nigéria (5/05). Foto: APUma mãe não identificada chora durante manifestação com outros pais cujas filhas foram sequestradas em escola de Chibok, Nigéria (29/04). Foto: APManifestante segura cartaz contra os raptos de garotas feito pelo grupo islâmico Boko Haram (5/05). Foto: APManifestantes protestam contra a demora do governo da Nigéria em encontrar as mais de 200 estudantes raptadas de escola em Chibok. Foto: APMulher participa de um protesto exigindo a libertação de meninas da escola secundária que foram raptadas da aldeia de Chibok, Nigéria. Foto: ReutersMulher segura cartaz durante manifestação sobre o sequestro das meninas de uma escola em Chibok, Nigéria (5/05). Foto: Reuters


Ao todo, 14 candidatos disputam a eleição para presidente, entre os quais se encontra pela primeira vez uma mulher. A disputa está acirrada entre o atual presidente, Goodluck Jonathan, e o ex-general Muhammadu Buhari, que comandou a Nigéria à frente de uma junta militar de 1983 a 1985.

*Com informações da Agência Brasil

Leia tudo sobre: Eleiçãonigériaboko haram

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas