Não há indícios de ação terrorista, afirma ministro alemão

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Investigações apontam que copiloto alemão Andreas Lubitz teve a intenção de derrubar o avião, que levava 150 pessoas

Em entrevista nesta quinta-feira (25), o ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, garantiu que não há indícios de ação terrorista na decisão do copiloto alemão Andreas Lubitz, responsável pelo acidente que matou 150 pessoas após a queda do avião da Germanwings nos alpes franceses.

As informações são do jornal francês Le Monde. O copiloto era alemão, tinha 28 anos e trabalhava na Lufthansa —empresa responsável pela Germanwings— desde setembro de 2013.

O CEO da empresa aérea Lufthansa, Carsten Spohr, afirmou que o copiloto passou por exames psicológicos e não tinha nenhum problema que o impedisse de comandar um avião. "Ele estava 100% apto a voar. As performances de voo eram perfeitas."

Segundo ele, a seleção da empresa tem ênfase na capacidade técnica e psicológica dos candidatos de comandar um avião. 

Durante a coletiva de imprensa, o presidente da Lufthansa afirmou que a companhia arcará com suas responsabilidades e ajudará as família financeiramente, mas não precisou o montante da indenização.

Foto do copiloto Andreas Lubitz publicada em seu Facebook, que já foi apagado
Reprodução/EL Pais/Facebook
Foto do copiloto Andreas Lubitz publicada em seu Facebook, que já foi apagado

Piloto ficou trancado fora da cabine

O procurador de Marselha, Brice Robin, informou em entrevista coletiva nesta quinta-feira (26) que o copiloto Andreas Lubitz estava sozinho na cabine de controle do avião da Germanwings.

O copiloto ficou sozinho no comando do avião, após a saída do piloto da cabine. O piloto tentou retornar ao seu posto, mas ficou trancado do lado de fora. 

"Houve vários pedidos para que o piloto voltasse a entrar na cabine de comando. Ele se identificou e começou a bater na porta para entrar", destacou o procurador. Conforme via a situação piorando, as batidas foram ficando mais fortes.

Desde o incidente de 11 de setembro, as cabines de avião têm um sistema de segurança que exige a permissão de quem estiver dentro da cabine para destravar a porta blindada.

Confira no vídeo em inglês o funcionamento da trava de segurança

Leia tudo sobre: lufthansagermanwingsa3204U9525frança

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas