Piloto deixou cabine de comando para ir ao banheiro e foi impedido de retornar por copiloto alemão, que, segundo promotoria francesa, teria forçado queda da nave

O procurador de Marselha afirmou que o copiloto alemão, Andreas Lubitz, do voo da Germanwings que caiu nos Alpes franceses se trancou na cabine do voo e voluntariamente fez o avião perder altitude até bater em uma rocha e se chocar contra uma montanha. Segundo o procurador Brice Robin parecia que ele "estava querendo destruir a aeronave".

De acordo com o procurador, as gravações de uma das caixas-pretas do voo revelaram que em determinado momento do voo o piloto deixou o cockpit do avião para ir ao banheiro. Naquele momento, o copiloto se trancou sozinho na cabine de comando.

Leia mais: 

Copiloto tinha 28 anos e era formado na escola de voo da Lufthansa
Lufthansa levará parentes das vítimas do voo 4U9525 ao local do acidente Airbus A320 da Germanwings levava passageiros de 15 nacionalidades

Foto do copiloto Andreas Lubitz publicada em seu Facebook, que já foi apagado
Reprodução/EL Pais/Facebook
Foto do copiloto Andreas Lubitz publicada em seu Facebook, que já foi apagado

O procurador disse que os sons da cabine mostram que o copiloto estava "vivo e respirando", que ele não disse nenhuma palavra, e que ele "parece ter derrubado o avião deliberadamente". Brice Robin disse que com os dados que a investigação tem até agora não se pode falar de suicídio. Ele confirmou tambem que o piloto era alemão.

O procurador destacou que a Torre de Controle de Marselha emitiu diversos comunicados para a aeronave e não recebeu nenhuma resposta. Ele disse que é possível ouvir os sensores do avião avisando que estava próximo demais do solo e que Lubitz não fazia nada além de acelerar o voo para baixo.

Veja também:

Airbus A320 da Germanwings levava passageiros de 15 nacionalidades

Avião foi pulverizado e resgate pode levar uma semana, dizem autoridades

Procurador Brice Robin, centro, com o general David Galtier, direita, em entrevista coletiva em Marselha
AP
Procurador Brice Robin, centro, com o general David Galtier, direita, em entrevista coletiva em Marselha

O copiloto, Andreas Loubitz, era alemão e não era suspeito de participar de qualquer organização terrorista. De acordo com as autoridades francesas, as autoridades judiciárias da Alemanha devem fornecer em breve mais informações.

O procurador afirmou também que era impossível obrigar o copiloto a abrir a porta pois o sistema de segurança em vigência desde o 11 de setembro deixa a quem estiver dentro da cabine a responsabilidade pela abertura da porta blindada. O sistema se destina a prevenir um ataque terrorista.

De acordo com o procurador, os passageiros só se deram conta da iminência do choque poucos instantes antes da queda, já que só é possível ouvir gritos na aeronave pouco antes do impacto.

Lufthansa

O CEO da empresa aérea Lufthansa, Carsten Spohr, afirmou que o copiloto passou por exames psicológicos e não tinha nenhum problema que o impedisse de comandar um avião. "Ele estava 100% apto a voar. As performances de voo eram perfeitas."

Segundo ele, a seleção da empresa tem ênfase na capacidade técnica e psicológica dos candidatos de comandar um avião. 

Durante a coletiva de imprensa, o presidente da Lufthansa afirmou que a companhia arcará com suas responsabilidades e ajudará as família financeiramente, mas não precisou o montante da indenização.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.