Relatórios afirmam que 500 civis foram levados de Damasak após extremistas abandonarem a cidade, na semana passada

AP

Centenas de civis, incluindo muitas crianças, foram sequestrados e têm sido usados como escudos humanos por extremistas do grupo Boko Haram. É o que confirmou um oficial de alta patente do governo da Nigéria, nesta quarta-feira (25). A notícia dos raptos em massa vem na semana em que o país africano se prepara para suas eleições, marcadas para este sábado (28).

Soldados do Chade e do Níger têm precisado enfrentar extremistas que se protegem com civis
AP
Soldados do Chade e do Níger têm precisado enfrentar extremistas que se protegem com civis

Segundo Mike Omeri, porta-voz do governo em assuntos relacionados à luta contra o Boko Haram, várias centenas de pessoas de Damasak, no nordeste do país, foram tiradas de suas casas nos últimos dias. Ele afirma que não sabe especificar quantas foram sequestradas, mas relatórios locais contam o número em torno de 500.

Leia mais:
Grupo terrorista nigeriano Boko Haram promete lealdade ao Estado Islâmico

No momento em que as tropas do Chade e do Níger avançaram em direção a Damasak, o Boko Haram começou a realizar os sequestros. "O grupo se dirigiu a escolas primárias e pegaram crianças e adultos para ajudá-los a impedir o avanço das tropas", disse Omeri.

Próxima à fronteira com o Níger, Damasak foi recapturada do Boko Haram no dia 16 de março, mas a confirmação de sequestros de civis só foi confirmada agora. De volta à cidade, os soldados que lutam contra os terroristas encontraram o local, usado ao longo de meses como base dos terroristas como centro administrativo, completamente deserto.

As tropas do Chade e do Níger, que ajudam a Nigéria nos combates ao grupo, descobriram evidências de valas comuns onde parte dos moradores da cidade foram enterrados, de acordo com o embaixador da ONU no Chade, Mahamat Zene Cherif.

A confirmação das práticas do Boko Haram são confirmadas quase um ano depois de 276 garotas  terem sido sequestradas pelos extremistas em Chibok, no nordeste da Nigéria. Dúzias delas conseguiram escapar nos primeiros dias de cativeiro, mas 219 permanecem desaparecidas.

O caso ganhou repercussão internacional e acabou gerando a campanha #BringBackOurGirls (tragam de volta nossas meninas) nas redes sociais.

Veja quais são os dez grupos terroristas mais ricos do mundo:

A batalha da Nigéria contra o Boko Haram é uma das questões centrais das eleições do país, neste sábado. A insurgência dos islâmicos, iniciada seis anos atrás, já matou milhares, incluindo 10 mil somente no ano passado. O Boko Haram promete interromper com violência o processo eleitoral.

Leia também:
Presidente da Nigéria diz ter subestimado grupo radical Boko Haram
Exército da Nigéria diz ter matado mais de 300 militantes do Boko Haram
Ofensiva militar mata 200 militantes do Boko Haram no Níger

Mais de 192 mil pessoas foram forçadas a deixar o país em direção aos vizinhos Camarões, Chade e Níger. Mas a agência para refugiados da ONU diz que a crise não tem recebido apoio internacional suficiente, classificando a situação nigeriana de uma das maiores emergências do mundo.

Damasak, na Nigéria: Boko Haram transformou cidade em desolador e sangrento deserto
AP
Damasak, na Nigéria: Boko Haram transformou cidade em desolador e sangrento deserto

No campo de refugiados de Minawao, em Camarões, residentes não têm recebido quantidade suficiente de alimentos e água e sequer há toaletes ou suprimentos médicos para boa parte deles, segundo Isaac Luka, representante dos refugiados.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Antonio Guterres, disse que a agência deveria enviar mais recursos para Camarões, mas afirma que apenas 3% por cento do financiamento necessário para cuidar Minawao, lar de 33.000 pessoas, chegou ao campo. "Todos os países do mundo precisam entender que Camarões não está apenas protegendo a si, mas a todos nós", resumiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.