Segundo o observatório, 1.796 mortos eram integrantes do Estado Islâmico e 90 da Frente de Nusra, filial síria da Al Qaeda

Agência Brasil

Pelo menos 1.953 pessoas morreram e centenas ficaram feridas em seis meses de bombardeios da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos contra os jihadistas na Síria, informou hoje (23) o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Leia também:

Execução de reféns pelo Estado Islâmico choca o mundo; veja vítimas

Japão condena Estado Islâmico por morte de jornalista

Entre os mortos, pelo menos 66 eram civis, incluindo 10 menores e seis mulheres, que perderam a vida nos ataques contra instalações petrolíferas em áreas sob controle do grupo radical Estado Islâmico nas províncias de Al Hasaka, Deir al Zur, Al Raqa e Alepo, no Norte do país.

Segundo o observatório, 1.796 mortos eram integrantes do Estado Islâmico e 90 da Frente de Nusra, filial síria da Al Qaeda.

O observatório não descarta, contudo, um número de mortos mais elevado devido à dificuldade de acesso a áreas controladas pelo Estado Islâmico e ao segredo que o grupo mantém sobre as baixas que sofre


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.