Ativistas afegãs rompem tradição e carregam caixão de mulher linchada

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Mulheres choravam e gritavam "queremos justiça para Farkhunda"; ela foi acusada - sem provas - de queimar uma cópia do Alcorão, livro sagrado do islamismo

BBC

Ativistas dos direitos das mulheres e da sociedade civil carregaram caixão de Farkhunda, linchada por multidão
AP
Ativistas dos direitos das mulheres e da sociedade civil carregaram caixão de Farkhunda, linchada por multidão

O caixão de uma mulher espancada e apedrejada até a morte em Cabul foi carregado por um grupo de mulheres, rompendo a tradição dos funerais no Afeganistão. Centenas de pessoas foram ao funeral de Farkhunda exigindo que os perpetradores do crime fossem punidos. 

Na última quinta-feira, uma multidão, composta principalmente por homens, atacou a mulher com paus e pedras, espancando-a até a morte. Em seguida, atearam fogo a seu corpo. A polícia, segundo relatos, testemunhou a ação, mas não tomou providências. 

O ataque da mulher, assim como a falta de intervenção policial, foram duramente criticados. O presidente afegão Ashraf Ghani disse ter ordenado uma investigação sobre o episódio. Imagens do ataque filmadas por celulares circularam nas redes sociais em todo o mundo. 

‘Completamente inocente’ 

Testemunhas dizem que o grupo acusava a mulher de queimar uma cópia do Alcorão, o livro sagrado do islamismo. No entanto, um funcionário do Ministério do Interior encarregado de investigar o caso disse não ter encontrado provas que confirmassem a acusação. 

Leia também: Paquistanesa morre apedrejada pela família após se casar sem permissão

"Farkhunda era completamente inocente", disse o general Mohammad Zahir à imprensa local. Segundo ele, 13 pessoas, incluindo policiais, foram presas. 

Em seu funeral, neste domingo, ativistas de direito das mulheres e da sociedade civil carregaram o caixão, papel que costuma ser desempenhada por homens. As mulheres choravam e gritavam "queremos justiça para Farkhunda". 

O irmão de Farkhunda disse à agência de notícias Reuters que ela se preparava para ser professora de estudos religiosos. As mulheres ainda sofrem discriminação na maior parte do país e os ataques a elas frequentemente não são punidos. 

Leia mais: Marido de mulher apedrejada já havia matado 1ª esposa no Paquistão

Mesmo assim, acredita-se que este ataque, que aconteceu próximo à mesquita Shah-Du-Shamshaira, seja o primeiro do tipo no Afeganistão.

Leia tudo sobre: mundoafeganistãoativistaslinchamento

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas