Ataques do Estado Islâmico matam ao menos 63 seguidores de Bashar Al Assad

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Jihadistas lançaram ataque contra postos de controle e posições das forças do governo em Hama, na Síria

Agência Brasil

Pelo menos 63 seguidores do regime sírio de Bashar Al Assad morreram nas últimas 24 horas em combates contra o grupo Estado islâmico. Os confrontos ocorreram no leste da província central de Hama, segundo informou hoje (21)  o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

A organização não governamental assinalou que os jihadistas lançaram um ataque contra postos de controle e posições das forças do governo na zona de Sheij Hilal, em Hama, com o objetivo de cortar uma das linhas de aprovisionamento das autoridades. Representantes do Estado Islâmico informam que o número de mortos é indeterminado.

>> Veja outras pessoas decapitadas pelo Estado Islâmico:

Kayla Mueller, refém norte-americana do Estado Islâmico, morreu na terça-feira (10 de fevereiro); segundo o grupo terrorista ela teria sido vítima de um bombardeio da Jordânia na Síria . Foto: APEstado Islâmico divulga vídeo onde suposto piloto jordaniano é queimado vivo em gaiola, no dia 3 de fevereiro. Foto: Reprodução/TwitterO jornalista japonês Kenji Goto foi morto pelos extremistas do Estado Islâmico no dia 30 de janeiro. Ele havia viajado para a Síria visando libertar o refém Yukawa. Foto: APImagem obtida por meio de vídeo do Estado Islâmico mostra o japonês Haruna Yukawa (à dir.), que foi decapitado em 24 de janeiro. Ele foi à Síria por ser fascinado por guerras. Foto: APO americano Peter Kassig foi identificado como o homem decapitado pelo Estado Islâmico em 16 de novembro de 2014. Ele era voluntário na Síria. Foto: ReutersNo dia 3 e outubro de 2014, o voluntário inglês Alan Henning foi decapitado pelos terroristas do Estado Islâmico. Foto: Reprodução/YoutubeVídeo mostra decapitação do refém britânico David Haines, que era voluntário na Síria e foi morto em 13 de setembro de 2014. Foto: ReutersImagem feita a partir de vídeo postado na internet pelo Estado Islâmico mostra jornalista americano Steven J. Sotloff antes de ser decapitado, no dia 2 de setembro de 2014. Foto: APInsurgentes do grupo jihadista Estado Islâmico divulgaram a decapitação do jornalista americano James Foley em 19 de agosto de 2014. Foto: Reprodução/Youtube

Conforme o Observatório, o número de pessoas executadas pelo Estado Islâmico nas províncias de Deir Ezzor, Homs e Damasco subiu para 13. Três homens foram crucificados e decapitados por tentarem se entregar ao governo sírio. Outros dois foram executados a tiros por espionagem e insultos a Deus. Outros cinco foram decapitados e três jovens mortos também por espionagem.

Leia também

>> Papo na redação: Entenda o Estado Islâmico, grupo mais radical do que a Al-Qaeda

>> Estado Islâmico invade vilarejo e sequestra 100 cristãos sírios

>> Carrasco do Estado Islâmico é solitário e frio, relata ex-militante

Ontem (19), a mesma organização, com ampla rede de ativistas no local, anunciou que 70 efetivos governamentais morreram em confrontos contra o Estado Islâmico desde a noite de quarta-feira (18).

As mortes ocorreram em Sheij Hilal e Al Sujna, na província central de Homs. O Estado Islâmico iniciou o ataque em áreas rurais de Homs e Hama, depois das derrotas sofridas nas províncias de Alepo e de Al-Hasaka.

Leia tudo sobre: mundoestado islâmicobashar al assad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas