Estado Islâmico reivindica autoria do atentado em Túnis, na Tunísia

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Anúncio foi feito por uma mensagem de áudio. Nessa quarta-feira, um ataque ao museu Bardo deixou 21 pessoas mortas

Agência Brasil

O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque de quarta-feira (18) ao Museu do Bardo, em Túnis, na Tunísia, em que morreram 21 pessoas. O anúncio foi feito por uma mensagem de áudio divulgada hoje (19).

Na mensagem, o grupo ‘jihadista’ ameaça lançar mais ataques: “O que viram foi só o princípio. Não vão ter nem segurança nem paz”.

Tunísia prende nove suspeitos de ligação com ataque ao museu Bardo

Identificados dois suspeitos do ataque ao Museu do Bardo, na Tunísia

Tunísia teve homenagens nesta quinta-feira, após o ataque ao museu Bardo
AP
Tunísia teve homenagens nesta quinta-feira, após o ataque ao museu Bardo


Qualificando o atentado como um “ataque bendito contra um dos focos dos infiéis na Tunísia muçulmana”, a voz da gravação afirma que ele foi cometido por “dois cavaleiros do califado, Abu Zakaria al-Tounisi e Abou Anas al-Tounisi”.

Os atacantes tinham “armas automáticas e granadas” e “conseguiram cercar um grupo de cidadãos (...) semeando o terror no coração dos infiéis”.

As autoridades tunisinas identificaram horas antes os dois autores do ataque, que foram mortos pela polícia, como Yassin Abidi e Hatem Khachnaoui.

O ataque tinha como alvo o Museu Nacional do Bardo, na capital da Tunísia, e 21 pessoas morreram, sendo 20 delas turistas estrangeiros, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde tunisino.

Entre os estrangeiros estão cidadãos da Espanha, França, do Reino Unido, da Itália, Bélgica, Polônia, do Japão, da Austrália e Colômbia.

Sequestro terrorista deixa 19 mortos em Túnis, na Túnisia
AP
Sequestro terrorista deixa 19 mortos em Túnis, na Túnisia


Leia tudo sobre: estado islamicoeiil no iraqueataquetunísiatúniseiilatentado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas