Unasul pede que EUA revoguem decreto que impôs novas sanções à Venezuela

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Organização entende que sanções são uma ameaça e um problema extraordinário e foi aprovada por unanimidade

Agência Brasil

A União de Nações Sul-Americanas (Unasul) condenou o decreto do governo dos Estados Unidos que considera a Venezuela uma “ameaça incomum e um problema extraordinário" para o país e pediu a revogação do texto pelo governo norte-americano.

Apoio a Maduro teve votação unânime na Unasul
Getty Images
Apoio a Maduro teve votação unânime na Unasul

Leia mais: Venezuela: polêmicas, fervor e greve de fome marcam trajetória de antichavista

Obama anuncia novas sanções econômicas contra o Irã

“A Unasul reitera o chamado ao governo dos Estados Unidos da América para que avalie e ponha em prática alternativas de diálogo com o governo da Venezuela, sob os princípios de respeito à soberania e à autodeterminação dos povos”, informou a Unasul em comunicado oficial.

O decreto, assinado pelo presidente Barack Obama na última segunda-feira (9), determinou a aplicação de novas sanções a sete altos funcionários venezuelanos, acusados de violação de direitos humanos. Entre os funcionários estão o diretor-geral dos Serviços Secretos e o diretor da Polícia Nacional. As sanções incluem a proibição de entrada nos Estados Unidos e o congelamento de bens.

A manifestação da Unasul pela derrubada do decreto foi aprovada por unanimidade pelos 12 países que integram o grupo. No comunicado, a Unasul diz que as novas medidas anti-Venezuela do governo Obama constituem “uma ameaça de ingerência à soberania e ao princípio de não intervenção nos assuntos internos de outros Estados”.

O bloco sul-americano ainda manifestou “compromisso com a plena vigência” do Direito Internacional e de instrumentos como o princípio da não intervenção e pediu que os países “se abstenham da aplicação de medidas coercitivas unilaterais”. 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas