Na Índia, ladrões estupram freira na casa dos 70 anos e geram revolta

Por AP |

compartilhe

Tamanho do texto

Dezenas de estudantes enfurecidos, seus pais e professores bloquearam por várias horas uma rodovia e uma ferrovia nas proximidades para exigir uma ação policial rápida

AP

Alunos do Convento de Jesus e da Escola Maria protestam contra o estupro coletivo de uma freira na casa dos 70 anos por um grupo de bandidos na Índia
AP Photo/Pranab Debnath
Alunos do Convento de Jesus e da Escola Maria protestam contra o estupro coletivo de uma freira na casa dos 70 anos por um grupo de bandidos na Índia

Uma freira na casa dos 70 anos foi estuprada por um grupo de bandidos neste sábado (14). A mulher tentou impedi-los de roubar uma escola missionária cristã no leste da Índia, informou a polícia. Esse é o mais recente crime a chamar a atenção para a questão da violência sexual no país.

LEIA MAIS: "Acordei com ele me penetrando por trás", diz vítima de estupro na USP

“Sou vista como vagabunda”, diz vítima de estupro em festa da Medicina da USP

Segundo um policial, a freira foi hospitalizada em estado grave após o ataque, cometido por sete ou oito homens no Convento Escola de Jesus e de Maria no distrito de Nadia, 80 km a nordeste de Kolkata, capital do estado de Bengala Ocidental. Os homens fugiram, mas a polícia está procurando por eles, disse o oficial, que falou sob condição de anonimato porque não estava autorizado a falar com jornalistas.

Os ladrões amarraram os seguranças da escola com cordas na madrugada de sábado e entraram no quarto das freiras, onde as mulheres estavam dormindo. Eles levaram uma das freiras para outro quarto quando a freira em questão tentou bloquear o caminho, sofrendo em seguida o estupro. A mulher que foi atacada tem entre 71 e 72 anos e é a mais antiga freira na escola, disse o policial.

Os homens fugiram com algum dinheiro, um celular, um computador portátil e uma câmera, todos pertencentes à escola, disse o oficial. Eles também saquearam a capela da escola, levando objetos sagrados segundo a Press Trust of India, agência de notícias local que entrevistou o arcebispo de Calcutá, Thomas D'Souza.

Durante o dia, dezenas de estudantes enfurecidos, seus pais e professores bloquearam por várias horas uma rodovia e uma ferrovia nas proximidades para exigir uma ação policial rápida e que levem à prisão todos os culpados.

Mamta Banerjee, eleito oficial do estado, condenou veementemente o ataque e ordenou uma investigação policial de alto nível. D'Souza apelou às pessoas para manter a paz e harmonia na área.

A Índia tem uma longa história de tolerância para a violência sexual. Entretanto, a questão vem sendo encarada de outra forma desde que em dezembro 2012 uma quadrilha estuprou uma mulher de 23 anos a bordo de um ônibus em movimento, em Nova Delhi. O episódio causou indignação em todo o país.

O protesto levou o governo federal a apressar a legislação que duplica penas de prisão para estupradores de 20 anos e que criminaliza voyeurismo, perseguição e o tráfico de mulheres. A lei também torna crime para oficiais a recusa de abrir investigação em caso de reclamação.

Leia tudo sobre: indiaestuprofreiraestupro coletivoviolencia sexualpoliciaprotesto

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas