Declaração foi feita nesta sexta (13), quando ele completa dois anos à frente da Igreja; Francisco não confirma nem descarta a possibilidade de renunciar ao posto, como fez Bento XVI

Papa Francisco, aos 78 anos, celebra dois anos como líder máximo da Igreja Católica
AP
Papa Francisco, aos 78 anos, celebra dois anos como líder máximo da Igreja Católica

O papa Francisco disse nesta sexta-feira (13), quando se completam dois anos de sua eleição, que tem a sensação de que o pontificado pode ser breve, de quatro ou cinco anos, mas desmentiu que se sinta "só e sem apoio".

Em entrevista à cadeia de televisão mexicana Televisa, divulgada integralmente pela Rádio Vaticano, Francisco respondeu sobre a possível duração do pontificado, que encerra-se com a morte do papa ou com uma demissão.

"Tenho a sensação de que o meu pontificado vai ser breve. Quatro ou cinco anos. Não sei. Ou dois ou três. Dois já se passaram. É uma sensação um pouco vaga que tenho, a de que o Senhor me escolheu para uma missão breve. Sobre isso, mantenho a possibilidade em aberto", afirmou.

Francisco: Papa desafia paróquias a adotar sua proposta de simplicidade

Para ele, Bento XVI, que foi o primeiro papa em sete séculos a renunciar ao cargo, em fevereiro de 2013, abriu a porta para os papas eméritos. "Abriu uma porta institucional", destacou.

Francisco, de 78 anos, não disse se pretende pedir demissão um dia. Declarações anteriores nesse sentido geraram críticas e fortes reações de teólogos conservadores.

Ibope: Aprovação de papa é alta, mas católicos continuam deixando religião, diz estudo

"Não me agrada muito", afirmou, sobre a ideia de fixar um limite, aos 80 anos, para o fim do papado. Segundo ele, o cargo de papa "é uma graça especial".

Decretar que a duração é até os 80 anos "iria criar uma sensação de fim, de um pontificado destinado a não se acabar bem", acrescentou, buscando tranquilizar os mais conservadores.

Francisco observou que, para alguns teólogos, a eleição para o pontificado é "um sacramento".

O papa falou também do antecessor Bento XVI, que deixou o Vaticano e está feliz, satisfeito, respeitado por todos. "Visito-o, muitas vezes telefono. Podemos pedir-lhe conselhos. É leal até a morte", observou.

Declarações polêmicas de Francisco:

+ Papa afirma que comunistas são os cristãos não assumidos
+ Francisco diz que evolucionismo e Big Bang não contradizem papel de Deus
+ Papa Francisco diz que católico não deve ter filhos 'como coelhos'
+ Dinheiro é 'esterco do diabo', afirma papa Francisco

À pergunta gosta de ser papa?, Francisco respondeu sobriamente e sem entusiamo excessivo: "Não me desagrada". Lembrou que sempre detestou viajar e que é uma pessoa caseira. "A única coisa de que gostava era poder sair um dia, sem que ninguém me reconhecesse, e ir comer uma pizza'".

"Não me sinto só. Sério que não", disse, em resposta a outra pergunta.

Na mesma entrevista, Francisco também confessou que sua maior "penitência" como pontífice é "viajar". "Não gosto de viajar. Acho que essa é minha maior penitência", afirmou. "Não gosto de viajar, assim como não gostava de vir a Roma antes de me tornar Papa", admitiu.

Francisco foi eleito líder da Igreja Católica em 13 de março de 2013, após a histórica renúncia de Bento XVI. Aos 78 anos de idade, ele é o primeiro Papa jesuíta de origem latino-americana. Em seus dois anos na cúria, o Papa tem promovido reformas fiscais e sociais, quebrando paradigmas em temas sensíveis aos católicos conservadores, como união homossexual e divórcio.

As cem fotos mais marcantes da visita do Papa ao Brasil em 2013:



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.