Quatro anos após tsunami, produtos de Fukushima sofrem com maldição

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Desastre nuclear que atingiu província em 2011 deixou graves consequências para a economia local; produtos agrícolas enfrentam resistência de consumidor dentro e fora do Japão

BBC

Quatro anos já se passaram desde o terremoto e o tsunami que devastaram o litoral nordeste do Japão. Desde então, a população local, aos poucos, se reestruturou.

Mas a economia da província de Fukushima, que enfrentou o vazamento da usina nuclear de mesmo nome, não consegue retomar os trilhos - e lidar com o preconceito contra os produtos locais, uma verdadeira "maldição".

Os setores que mais sofrem são o agropecuário, o de pesca e o de turismo. O medo de que os produtos estejam contaminados afasta o consumidor e também turistas, apesar das garantias das autoridades de que eles são completamente seguros para consumo humano.

Leia também:

Japão atrasa por tempo indeterminado armazenamento de resíduos de Fukushima

Novos casos de câncer são registrados em Fukushima após acidente nuclear

O mercado de peixes de Iwaki: turistas e consumidores desapareceram
BBC
O mercado de peixes de Iwaki: turistas e consumidores desapareceram


Uma pesquisa feita pela Agência Japonesa de Assuntos do Consumidor mostrou que esse temor cresceu ainda mais no ano passado, mesmo o governo adotando medidas restritas de medição do nível de radioatividade de produtos locais.

O Ministério da Agricultura, Pesca e Floresta admitiu que está difícil convencer os japoneses, e mais ainda os estrangeiros, de que os produtos são realmente seguros.

A desconfiança em relação à carne bovina da região, por exemplo, fez com que ela ficasse 10% mais barata do que a produzida em outras regiões do país.

Em 2010, um ano antes da tragédia, Fukushima vendeu 153 toneladas de produtos agropecuários para outras regiões e também para o exterior. No ano seguinte, após o desastre, foram apenas 17 toneladas e a situação só piorou.

Em 2012, a província vendeu apenas 2 toneladas de produtos.

Promoções

Alguns supermercados fazem promoções e vendem pacotes embalados de legumes e vegetais quase duas vezes maiores do que o habitual pela metade do preço. Mesmo assim, os produtos ficam encalhados.

"Muitos lojistas não dizem abertamente que não vão comprar produtos de Fukushima, mas eles nunca compram", reclama Hiroyuki Kurahashi, 41, proprietário de uma fábrica de saquê - um dos produtos mais tradicionais da região - e presidente da Associação de Produtores de Saquê de Fukushima.

Leia: Fukushima começa a jogar água com baixa radioatividade no mar

Takayuki Ueno não acha que a situação vá melhorar nos próximos dez anos
BBC
Takayuki Ueno não acha que a situação vá melhorar nos próximos dez anos

Desde o desastre de 2011, Kurahashi não para de receber telefonemas de consumidores preocupados. "Um deles me disse que recebeu nosso saquê de presente de um amigo e perguntou como fazer para devolvê-lo para nós. Eu disse para jogar fora o conteúdo se não quisesse beber, mas ele disse que isso poderia contaminar seu lugar", conta.

O peixeiro Takayuki Ueno, 46, que gerencia um pequeno negócio perto do porto, também não tem muitas esperanças de uma reviravolta no mercado. "Essa situação deve se estender por uns 10 anos", calcula ele.

Enquanto os peixes não saem da geladeira na mesma velocidade que chegam, o peixeiro conta com a ajuda financeira do governo.

"Não tem outra alternativa. Então, temos de tocar a vida", suspira.

Voluntários

Enquanto a situação não melhora, voluntários de todo o Japão continuam ajudando a população da região.

Em Fukushima, por exemplo, a organização sem fins lucrativos The People organiza grupos para ajudar agricultores no plantio e na colheita de algodão orgânico.

O produto é utilizado na confecção de camisetas e de bonecos artesanais.

As lembrancinhas são feitas pelas famílias que vivem em casas provisórias e o dinheiro arrecadado ajuda na renda dessas pessoas.

Kaoru Kanabe, coordenadora da organização, explica que sem a ajuda de voluntários o projeto não sobreviveria.

Desde que foi iniciado, em 2012, cerca de 12 mil pessoas colaboraram com o projeto até agora.

O brasileiro Hidekichi Hashimoto é um dos que vão para a região devastada pelo tsunami sempre que pode.

"Já vim umas 35 vezes e acredito que, como ser humano, é o mínimo que posso fazer para ajudar", justifica ele, que sempre volta com sacolas cheias de produtos locais, os quais distribui aos amigos.

Governo local

Um dos maiores defensores e entusiastas na promoção dos produtos de Fukushima é o novo governador da província, Masao Uchibori, eleito em outubro passado.

Desde que assumiu o governo, ele vem investindo pesado em campanhas de divulgação. Recentemente, ele organizou um evento em Tóquio que contou com a presença dos embaixadores da Nova Zelândia, da Austrália, do Canadá e da Grã-Bretanha.

A coordenadora da ONG The People, Kaoru Kanabe
BBC
A coordenadora da ONG The People, Kaoru Kanabe


Na ocasião, eles comeram bolinhos de arroz e outras iguarias de Fukushima para demonstrar apoio à província.

"A explosão da usina causou um grande impacto negativo na província e ainda sofremos as consequências", disse Uchibori.

Por isso, o governador defende que o governo do primeiro-ministro Shinzo Abe deve reavalie com muita calma os planos de retomar o uso da energia nuclear.

"Quando instalaram a usina em Fukushima nos disseram que era seguro e nada de errado poderia acontecer. Descobrimos, da pior forma, que tudo não passava de uma mentira", critica o governador.

Leia tudo sobre: crise nuclearjapãofukushimaterremototsunami

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas