Ofensiva militar mata 200 militantes do Boko Haram no Níger

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

A ofensiva militar terminou com o controle de Damask, uma cidade na fronteira do Níger, pelo Boko Haram, que se prolongava desde novembro

Agência Brasil

A ofensiva militar lançada no fim de semana pelo Chade e pelo Níger conseguiu recuperar a cidade de Damask dos terroristas do Boko Haram, matando cerca de 200 militantes do grupo radical.

Leia também: Grupo terrorista nigeriano Boko Haram promete lealdade ao Estado Islâmico

Entenda:Boko Haram: o grupo extremista que sequestrou mais de 200 jovens na Nigéria 

De acordo com fonte dos serviços de segurança do Chade, a ofensiva militar terminou com o controle de Damask, uma cidade na fronteira do Níger, pelo Boko Haram, que se prolongava desde novembro. Dez pessoas morreram, entre os soldados do Chade, e 20 ficaram feridas.

Relembre sequestro de adolescentes na Nigéria

Martha Mark, mãe de Monica Mark, uma das sequestradas em escola nigeriana, chora ao mostrar foto da jovem na casa da família em Chibok, Nigéria (19/05). Foto: APApós possível divisão do grupo de reféns analistas dizem que resgates pode levar anos (8/05). Foto: AFPEstudantes protestam do lado de fora do consulado nigeriano em Nova York, EUA, pelas meninas sequestradas pelo Boko Haram na Nigéria (28/05). Foto: ReutersAluna de uma escola sul-africana, com tradicionais manchas de tinta no rosto, participa de protesto silencioso pelas jovens raptadas na Nigéria (14/05). Foto: APMulher grita durante manifestação incitando o Governo a agilizar o resgate das meninas sequestradas, em Abuja, Nigéria (11/05). Foto: APAtivistas participam da campanha 'Tragam nossas meninas de volta durante vigília realizada no Dia das Mães em Los Angeles, EUA (11/05). Foto: ReutersQuatro estudantes que conseguiram escapar do sequestro feito pelo grupo Boko Haram em escola de Chibok, Nigeria (2/05). Foto: APAbubakar Shekau, suposto líder do grupo extremista Boko Haram, fala sobre o sequestro de estudantes no nordeste na Nigéria (5/05). Foto: APUma mãe não identificada chora durante manifestação com outros pais cujas filhas foram sequestradas em escola de Chibok, Nigéria (29/04). Foto: APManifestante segura cartaz contra os raptos de garotas feito pelo grupo islâmico Boko Haram (5/05). Foto: APManifestantes protestam contra a demora do governo da Nigéria em encontrar as mais de 200 estudantes raptadas de escola em Chibok. Foto: APMulher participa de um protesto exigindo a libertação de meninas da escola secundária que foram raptadas da aldeia de Chibok, Nigéria. Foto: ReutersMulher segura cartaz durante manifestação sobre o sequestro das meninas de uma escola em Chibok, Nigéria (5/05). Foto: Reuters

A ofensiva, que se seguiu a uma união de tropas no Sul do Níger, abriu nova frente nos esforços regionais para combater o grupo islamita, cuja atividade nos últimos seis anos já ultrapassou as fronteiras da Nigéria, de onde é originário.

A ofensiva militar surge também na sequência de uma aliança entre o Boko Haram e o Estado Islâmico, anunciada em mensagem de áudio no fim de semana.

Mais de 13 mil pessoas morreram e cerca de 1,5 milhão estão desalojadas após as ações do Boko Haram desde 2009.

*Com informações da Agência Lusa

Leia tudo sobre: Boko HaramNigériaExército

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas