EUA acusam Venezuela de ser ameaça e impõem sanções a 7 funcionários do governo

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo um alto funcionário, Maduro denunciará as ações dos EUA pessoalmente quando se encontrar com Obama e outros líderes regionais na Cúpula das Américas, marcada para abril

AP

O presidente dos EUA, Barack Obama, impôs sanções a sete funcionários venezuelanos, nesta segunda-feira (9), acusando-os de cometer violações de direitos humanos e corrupção pública no país. Ele também acusou o governo de Nicolás Maduro de ser uma ameaça à segurança de sua população. 

Barack Obama: governo norte-americano pediu congelamento de bens de autoridades
AP
Barack Obama: governo norte-americano pediu congelamento de bens de autoridades

Todos os sancionados são do alto escalão do aparato de segurança do Estado, responsável por reprimir protestos anti-governo que abalaram a Venezuela no ano passado e por perseguir opositores.

"Ações corruptas por parte de funcionários do governo da Venezuela impedem o investimento de recursos econômicos necessários que poderiam chegar ao povo venezuelano e ser usados ​​para estimular o crescimento econômico", disse o secretário do Tesouro, Jacob Lew, em comunicado. "Essas ações também minam a confiança dos cidadãos nas instituições democráticas e os direitos humanos aos quais os cidadãos venezuelanos têm direito."

Leia mais:
Venezuela exigirá visto de entrada para cidadãos norte-americanos

As sanções são confirmadas após o Congresso dos EUA ter aprovado uma legislação, no final do ano passado, que autoriza medidas que congelem bens e proíbam a emissão de vistos para qualquer acusado de realizar atos de violência ou violação de direitos humanos no exterior.

Diosdado Cabello, o poderoso chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, criticou as sanções, afirmando serem mais uma prova de que os EUA tentam semear instabilidade no país sul-americano. Ele disse que o presidente Nicolas Maduro vai denunciar pessoalmente as ações dos Estados Unidos quando ele, Obama e os outros líderes regionais se reunirem Cúpula das Américas, no mês que vem.

Veja fotos dos violentos protestos na Venezuela:

Polícia nacional da Venezuela dispara gás lacrimogêneo enquanto manifestante antigoverno se ajoelha segurando pedra durante confrontos em Caracas (6/4). Foto: ReutersManifestantes mostram cartazes com fotos de ativistas mortos durante protestos antigoverno na Plaza Altamira em Caracas, Venezuela (20/3). Foto: APPartidários do líder da oposição Leopoldo López se reúnem para protesto que pede a libertação do político após um mês de sua prisão, na Venezuela (18/03). Foto: APGuardas das forças bolivarianas patrulham a Plaza Altamira após tomarem o controle do local em Caracas, Venezuela (17/3). Foto: APEstudante da Universidade Central da Venezuela grita contra governo de Nicolás Maduro durante protesto em Caracas (12/3). Foto: APManifestante antigoverno corre em meio ao gás lacrimogêneo lançado pela polícia durante protesto em Caracas, Venezuela (12/3). Foto: ReutersManifestante joga lata de gás lacrimogêneo em direção à polícia durante protesto antigoverno em Caracas, Venezuela (11/3). Foto: APGuardas prendem manifestante durante conflitos entre ativistas e motociclistas em Los Ruices, Venezuela (10/3). Foto: APPolícia impede passagem de manifestantes que protestavam contra escassez de alimentos (8/3). Foto: APManifestantes se preparam para jogar coquetéis molotov durante confrontos em Caracas, Venezuela (6/3). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana se protegem de fogos de artifício lançados contra eles por manifestantes em Caracas, Venezuela (março/2014). Foto: APManifestantes seguram cartazes com imagens de venezuelanos que foram mortos nas duas últimas semanas durante marcha em Caracas (28/2). Foto: APManifestantes rolam cano de água na tentativa de bloquear uma rodovia importante em Caracas, Venezuela (27/02). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana avançam em direção a protestos antigoverno em Valencia, Venezuela (26/2). Foto: APManifestante segura placa em frente de cordão da Guarda Nacional Bolivariana durante protesto perto da Embaixada de Cuba em Caracas, Venezuela (25/2). Foto: APObjetos colocados por manifestantes da oposição bloqueiam estrada no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APOpositor caminha perto de acusação feita a presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em rua no bairro de Altamira, Caracas (21/2). Foto: ReutersManifestante envolto com a bandeira da Venezuela coloca mais objetos em barricada em chamas no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APPartidários do governo venezuelano marcham no centro de Caracas (20/2). Foto: APManifestante levanta os braços em direção à polícia que lança gás lacrimogêneo em bairro de Caracas, Venezuela (19/2). Foto: APMiss Génesis Carmona é levada de moto a hospital. Ela morreu após ter sido atingida por disparo na cabeça em 18/2. Foto: Reprodução/TwitterManifestante usa máscara caseira para se proteger de gás durante protestos em avenida de Caracas, Venezuela (18/02). Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente Nicolás Maduro durante marcha em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APLeopoldo López, líder da oposição da Venezuela, é preso vestido de branco e segurando flor em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APManifestante cobre a boca com pano durante protesto contra a censura do governo venezuelano em Caracas (17/2). Foto: APManifestante atira pedras na Força Nacional Bolivariana durante protesto na Venezuela (15/2). Foto: APManifestantes fecham a principal via da Venezuela (15/2). Foto: ReutersManifestantes na Venezuela são dipersados com canhões de água e gás lacrimogêneo (15/2). Foto: Carlos Garcia Rawlins/ReutersUniversitária segura cartaz em que se lê 'E quem tem as armas?' enquanto se manifesta contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes choram durante vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes comparecem à vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APJovem segura livro marcado em espanhol com a frase 'Esta é a minha arma' durante protesto contra repressão de estudantes em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudante segura cartaz em que se lê 'Paz e liberdade' durante manifestação em Caracas, Venezuela (13/2)
. Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante protesto em Caracas (13/2)
. Foto: AP

"Senhor Obama, você e seus imperialistas vão ter de impor sanções a muitos venezuelanos que estão dispostos a darem suas vidas para defender a revolução bolivariana e o projeto iniciado pelo Comandante Hugo Chávez", disse Cabello em um comício de simpatizantes do governo.

Maximilien Sanchez Arvelaiz, o principal diplomata venezuelano em Washington, foi chamado para Caracas para consultas imediatas, nesta segunda-feira (9). As duas nações não trocam de embaixadores desde 2010.

As tensões entre EUA e Venezuela só têm aumentado nos últimos meses. No verão passado, o Departamento de Estado impôs uma proibição de viagens a funcionários venezuelanos acusados ​​de abusos durante protestos de rua que deixaram dezenas de mortos.

Na semana passada, a Venezuela deu aos EUA duas semanas para reduzir a sua missão diplomática no país para menos de 20% de seu tamanho atual. Os norte-americanos criticaram os sul-americanos pela atitude.

Leia também:
Papa Francisco pede que Venezuela "retome caminho do bem"
Anistia Internacional condena prisão de prefeito na Venezuela: "Caça às bruxas"
Em meio à crise, falta de Chávez acirra ânimos na Venezuela

Ainda assim, os EUA seguem mantendo laços econômicos profundos com a Venezuela, em particular no setor da energia. De acordo com a Secretaria de Estado, a nação sul-americana foi um dos cinco principais fornecedores de petróleo estrangeiro para os norte-americanos.

Veja abaixo quais são os funcionários sancionados:

-Antonio José Benavides Torres, comandante da Força Armada Nacional Bolivariana e ex-diretor de operações GNB Venezuela

-Gustavo Enrique González López, diretor-geral do Serviço Nacional de Inteligência Bolivariana da Venezuela. Os EUA dizem que ele é responsável por atos de violência e outros abusos de direitos humanos contra manifestantes anti-governo

-Justo José Noguera Pietri, presidente da Corporação Venezuelana de Guayana, entidade estatal, e ex-comandante-geral da GNB

-Katherine Nayarith Haringhton Padron, procurador nacional que acusou vários membros da oposição de conspiração 

-Manuel Eduardo Pérez Urdaneta, diretor da Polícia Nacional Bolivariana da Venezuela. Os EUA dizem que a polícia têm se envolvido em "atos significativos de violência que constituem um grave abuso ou violação dos direitos humanos"

-Manuel Gregorio Bernal Martínez, chefe da 31ª Brigada Blindada de Caracas do Exército Bolivariana da Venezuela e ex-diretor-geral dos serviços de inteligência nacionais. Ele era chefe de inteligência em 12 de fevereiro de 2014, quando oficiais dispararam suas armas contra manifestantes matando duas pessoas perto do gabinete do Procurador-Geral da República

- Miguel Alcides Vivas Landino, inspetor-geral das Força Armada Nacional Bolivariana da Venezuela

Leia tudo sobre: euavenezuelabarack obamamadurosanções

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas