Cinco homens são presos por suposto envolvimento na morte de opositor de Putin

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A oposição ao governo suspeita que o próprio Kremlin foi o responsável por ordenar o assassinato de Nemtsov, no dia 27

AP

Cinco homens estão atrás das grades neste domingo (8) sob a acusação de envolvimento no assassinato de Boris Nemtsov, notório opositor do governo de Vladimir Putin, na Rússia. Ainda não há detalhes oficiais sobre o caso que tem agitado os movimentos oposicionistas no país.

O líder oposicionista Boris Nemtsov: ele foi morto horas depois de ter feito denúncias contra Putin
AP
O líder oposicionista Boris Nemtsov: ele foi morto horas depois de ter feito denúncias contra Putin

Os cinco foram levados a uma corte em Moscou na qual dois deles foram acusados de terem conexão com a aparente execução ocorrida no momento em Nemtsov atravessava uma ponte próxima ao Kremlin, no último dia 27 de fevereiro. Os outros três foram reenviados à prisão devido a acusações anteriores.

Leia mais:
Opositor do governo russo é assassinado em Moscou

Jornais da Rússia têm citado fontes anônimas segundo as quais um outro suspeito do assassinato se matou com uma granada após a polícia ter ido buscá-lo em seu apartamento, em Grozny, capital da república da Chechênia. Não houve comentários oficiais a respeito, mas o presidente checheno, Ramzan Kadyrov, parece ter confirmado a informação parcialmente neste domingo.

Um dos juízes das sessões disse que o suspeito Zaur Dadaev se envolveu no crime, mas que não o admitiu perante a corte, segundo agências de notícias independentes da Rússia. O outro suspeito acusado formalmente, chamado Anzor Gubashev, negou envolvimento.

Os outros três são, além do irmão caçula de Anzor, Shagid, Khamzad Bakhaev e Tamerlan Eskerkhanov, todos naturais da Chechênia e de outras regiões do Cáucaso. A origem dos cinco levanta uma questão potencialmente sensível no país, dada a animosidade significativa entre grupos do cáucaso e russos étnicos.

Leia também:
Rússia identifica suspeitos pela morte de opositor
Putin diz que fará de tudo para esclarecer morte de opositor

A Chechênia sofreu duas guerras intensas nas últimas duas décadas entre forças russas e rebeldes separatistas cada vez mais influenciados pelo fundamentalismo islâmico. Isso reforçou entre os russos o estereótipo de que chechênios sejam extremistas violentos.

Vice-primeiro-ministro adjunto da Rússia no passado, Nemtsov, 55 anos, se tornou um dos maiores detratores de Putin nos últimos anos. Ele foi morto horas depois de ter concedido uma entrevista a uma estação de rádio na qual denunciou a agressividade do líder russo na Ucrânia.

A oposição suspeita que o próprio Kremlin tenha sido o responsável por ordenar o assassinato de Nemtsov.

Leia tudo sobre: rússianemtsovputinucrâniakremlin

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas