"Racismo segue entre nós", diz Obama em celebração de marcha por direitos civis

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Há exatamente 50 anos polícia reprimia centenas de manifestantes que exigiam direitos iguais nos Estados Unidos

AP

O racismo "ainda lança sua longa sombra sobre nós, ele segue entre nós", disse o primeiro presidente negro dos EUA, neste sábado (7). Barack Obama foi a principal figura a discursar nas celebrações do 50º aniversário do episódio que ficou conhecido como "Domingo Sangrento", quando, em 7 de março de 1965, centenas de pessoas protestaram contra a morte do ativista negro Jimmie Lee Jackson e acabaram sendo violentamente reprimidas pelas forças policiais.

Presidente dos EUA durante discurso na ponte onde policiais iniciaram repressão a manifestantes
AP
Presidente dos EUA durante discurso na ponte onde policiais iniciaram repressão a manifestantes

O ato foi o primeiro daquela que ficou conhecida como a Marcha de Selma a Montgomery, que acabou sendo responsável por pressionar as autoridades a criarem a Lei dos Direitos ao Voto, segundo a qual todos os cidadãos do país, incluindo afro-americanos e mulheres, passaram a participar do processo eleitoral nos EUA, algo até então proibido.

Leia mais:
Projeto sobre 'brancura' inflama debate sobre racismo nos EUA

No discurso, que ocorreu simbolicamente na Ponte Edmund Pettus de Selma, onde a violência contra os manifestantes começou, Barack Obama elogiou as figuras de uma era dos direitos civis que ele era jovem demais para conhecer, chamando-os de "guerreiros da justiça", responsáveis por "colocar a América mais próxima à uma união mais perfeita".

"Muito de nossa turbulenta história – a mancha da escravidão e a angústia da guerra civil, o jugo da segregação e da tirania de Jim Crow, a morte de quatro meninas em Birmingham e o sonho de um pregador batista – se reuniram nesta ponte", discursou o presidente. "Não foi um choque de exércitos, mas um choque de vontades, uma competição para determinar o significado da América."

Fotos do filme "Selma", sobre marcha que resultou nos direitos civis universais:

Imagem do filme Selma, sobre a marcha que acabou resultando nos direitos de votos universais nos EUA. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Selma'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Selma'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Selma'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Selma'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Selma'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Selma'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Selma'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Selma'. Foto: Divulgação'Selma - Uma Luta Pela Igualdade': David Oyelowo é Martin Luther King Jr., líder da luta pelos direitos dos negros nos EUA, que morreu em 1968. Indicado a 2 Oscar. Foto: Divulgação

Milhares lotaram a cidade ribeirinha para as comemorações da marcha de 7 de março de 1965, que se tornou a primeira de três com o objetivo de chegar a Montgomery, Alabama, para exigir o fim da discriminação contra os eleitores negros e todas as vítimas de segregação. Cenas de soldados e manifestantes se enfrentando na ponte chocaram o país na ocasião, o que encorajou líderes em Washington a aprovarem a Lei do Direito ao Voto cinco meses depois.

Obama falou imediatamente após o reverendo John Lewis, líder da marcha em Selma, que na ocasião foi severamente espancado pela polícia. Seu crânio acabou fraturado naquele dia. "Ainda há trabalho a ser feito", ponderou ele, fazendo coro ao discurso do presidente dos EUA.

No meio da multidão ficou Madeline McCloud, de Gainesville, Flórida, que viajou durante a noite com membros da NAACP (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor), organização de direitos civis do centro do Estado que marchou na Geórgia pelos direitos civis nos anos 1960.

"Para mim, este poderia ser o fim da viagem, já que hoje tenho 72 anos", disse ela. "Estou colocando os pés de volta na história que construímos."

Leia também:
EUA liberam acesso a documentos de Rosa Parks, símbolo da luta contra o racismo
Protestos se espalham pelos EUA após policial que matou negro não ser indiciado

Também presentes estavam Peggy Wallace Kennedy, filha de George Wallace, governador do Alabama que ficou conhecido pela promessa de "segregação para sempre."

Atual governador do Estado, Robert Bentley, um republicano branco que muitas vezes critica as políticas da administração Obama, foi recebido com vaias dispersas pelo público. Ele disse que espera que a comemoração do aniversário da marcha ajudem o Alabama a apagar imagens feias e curar feridas.

O ex-presidente dos EUA George W. Bush dividiu o palco durante os discursos que antecederam uma caminhada simbólica de Obama pela ponte ao lado de sua esposa, Michelle, e das filhas, Sasha e Malia.

"A nossa marcha ainda não terminou", disse o presidente. "239 anos após a fundação desta nação, a nossa união ainda não é perfeita. Mas estamos chegando mais perto. É nosso trabalho mais fácil, porque alguém já nos trouxe até aqui. Alguém já caminhou sobre esta ponte."

"Se você acha que nada mudou nos últimos 50 anos, pergunte a alguém que viveu em Selma, Chicago ou Los Angeles nos anos 50", continuou ele. "Pergunte à atual CEO do sexo feminino se nada mudou; pergunte ao seu amigo gay se é mais fácil se assumir na América agora do que era há 30 anos."

Leia tudo sobre: euabarack obamaselmadireitos civis

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas