Porte de carne bovina passa a ser punido com até cinco anos de prisão na Índia

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Lei estadual de Maharashtra, onde fica a metrópole de Mumbai, é vitória de hindus ortodoxos, que veem animal como sagrado

Provavelmente todo mundo já ouviu falar que indianos veem bovinos como animais sagrados. De fato, em algumas vertentes do hinduísmo isso é uma realidade, que os coloca inclusive em castas acima da mais elevada da sociedade de 1,1 bilhão de pessoas do país, a dos sacerdotes. Entretanto, somente agora uma lei passará a punir aqueles que matarem ou comerem uma vacas/bois de forma realmente aguda. As informações são do da rede de notícias Bloomberg.

Apesar do senso comum, carne bovina é consumida por muitos cidadãos na Índia
Wikimedia Commons
Apesar do senso comum, carne bovina é consumida por muitos cidadãos na Índia

Lar de mais de 112 mil de indianos, o Estado de Maharashtra instituiu nesta semana uma lei que passa a banir os matadouros de vacas, búfalos e bois e a própria posse de qualquer derivado de carne bovina com penas que chegam a cinco anos de prisão.

Apesar de ser uma espécie de tabu comer porco ou carne bovina na Índia, a capital de Maharashtra, Mumbai, cidade com mais de 12 milhões de habitantes, possui diversos restaurantes que têm entre as opções de seus cardápios pratos compostos por eses animais.

Leia também:
Para algumas gangues na Índia, vacas deixam de ser sagradas

"Quando o ministro-chefe do Estado anunciou a proibição [na última terça-feira, 3], havia fila de pessoas esperando do lado de fora para comer as carnes que preparo", afirmou Bruce Rodrigues, proprietário de um pequeno restaurante que vende hambúrgueres e bifes no elegante bairro de Branda. "Alguns clientes chegaram a me perguntar se poderíamos organizar um protesto ou algo assim."

Confira alguns dos mitos sobre animais:

Ratos não são atraídos por queijo: por causa do nariz sensível, os roedores evitam alimentos de cheiro e sabor acentuados. Foto: Wikimedia CommonsRatos não são atraídos por queijo: a melhor maneira de atrair o animal é apostar em comidas com alto teor de açúcar, como biscoitos. Foto: Wikimedia CommonsMorcegos não são cegos: apesar dos olhos pequenos e pouco desenvolvidos, algumas espécies enxergam até dez vezes mais que o homem. Foto: Getty ImagesMorcegos não são cegos: sistema de locomoção do animal funciona como um radar. Audição e olfato também são aguçados. Foto: Reprodução/YoutubeCenoura faz mal aos coelhos: em excesso, legume é prejudicial ao bicho, diz a Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade contra os Animais. Foto: Wikimedia CommonsCenoura faz mal aos coelhos: Por ter alto teor de açúcar, o alimento pode matar o animal se dado diariamente. Foto: Wikimedia CommonsMemória do peixe-dourado não dura segundos: estudos comprovam que o peixe pode associar sons e objetos a comida, perigo, entre outros. Foto: Wikimedia CommonsMemória do peixe-dourado não dura segundos: testes provam que o animal se lembra de coisas por até cinco meses. Foto: Wikimedia CommonsCamelos não armazenam água nas corcovas: protuberâncias estocam gordura. Assim, o animal obtém energia e sobrevive semanas sem comida. Foto: Wikimedia CommonsCamelos não armazenam água nas corcovas: para garantir a hidratação, possuem glóbulos vermelhos de diferentes formatos, além de rins e intestinos bem eficientes. Foto: Wikimedia CommonsCamaleão não muda de cor para se camuflar: a cor do lagarto muda de acordo com seu estado de espírito, suas emoções. Foto: Wikimedia CommonsCamaleão não muda de cor para se camuflar: além do 'humor', temperatura e luz também podem influenciar nas variações. Foto: Wikimedia CommonsAvestruz não enterra a cabeça na areia: apesar de darem essa impressão ao olhar de longe, a ave cava buracos apenas quando faz seu ninho. Foto: Wikimedia CommonsAvestruzes não enterram as cabeças na areia: a mãe coloca o cabeça várias vezes ao dia no buraco, mas apenas para checar os ovos. Foto: Wikimedia CommonsBaratas não sobreviveriam a ataque nuclear: a bomba de Hiroshima irradiou até 34 mil rads (unidade de absorção de radiação); baratas suportam até 20 mil. Foto: Reprodução/YoutubeBaratas não sobreviveriam a ataque nuclear: seres humanos suportam apenas 1 mil rads. Já as vespas, até 180 mil rads. Foto: Wikimedia CommonsAbelhas nem sempre morrem após ferroada: apenas as operárias morrem. Nelas, seu ferrão está acoplado ao resto do corpo. Foto: Wikimedia CommonsAbelhas nem sempre morrem após ferroada: já zangões liberam seu veneno de forma mais 'suave', tornando possível ferroar pela segunda vez. Foto: Wikimedia CommonsVacas emitem gás poluente: gado é responsável por 4% da emissão mundial de metano por meio do arroto. Foto: Wikimedia CommonsVacas também são responsáveis pela poluição do ar: o animal também emite o gás pela flatulência, mas em menor quantidade. Foto: Wikimedia Commons

Além disso, nas ruas das grandes cidades do Estado, comerciantes também vendem todo tipo de carnes de segunda como fígado, rim, língua, que são misturados a arroz e sopa para serem vendidos a comunidades carentes que não podem pagar por produtos mais nobres.

"Este não é um sinal de sociedade madura", criticou Avinash Raheja, fundadora de um aplicativo sobre estacionamentos em Mumbai. Ela não come carne bovina. "Nós reivindicamos o posto de maior democracia do mundo, mas a democracia só se aplica às causas de um eleitorado específico?"

Motivo de piada nas redes sociais, a lei reforça os princípios do hiduismo, deixando de lado os costumes das minorias muçulmanas e cristãs, segundo o professor Shiv Visvanathan. O fato é que lideranças religiosas fundamentalistas locais celebraram a regra.

"Damos as boas-vindas à decisão do governo de Maharashtra. Esperamos que outros Estados também venham a fazer o mesmo", resumiu em email Surendra Jain, secretário-geral do Vishwa Hindu Parishad, grupo que exige o fim de privilégios a minorias religiosas e a proibição de matadouros de bovinos na Índia.

Leia tudo sobre: índiavacashinduísmo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas