Boicotado por democratas nos EUA, Netanyahu contesta acordo nuclear com Irã

Por Agência Brasil * | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para primeiro-ministro israelense, Teerã é ameaça a todo o mundo: "É um mau acordo; o mundo estará melhor sem ele"

Agência Brasil

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, contestou em Washington, nesta terça-feira (3), o acordo que o presidente norte-americano, Barack Obama, pretende concluir até o fim de março sobre o programa nuclear iraniano. Para o chefe do Poder Executivo israelense, Teerã representa uma “ameaça para o mundo inteiro”.

O primeiro-ministro de Israel posa ao lado de legisladores republicanos, nesta terça, no Capitólio
AP
O primeiro-ministro de Israel posa ao lado de legisladores republicanos, nesta terça, no Capitólio

“Meus amigos, durante mais de um ano disseram-nos que nenhum acordo era preferível a um mau acordo. E este é um mau acordo, o mundo estará melhor sem ele”, afirmou Netanyahu em discurso no Congresso dos EUA.

Leia também:
Israel diz ter apreendido carregamento de foguetes do Irã para Gaza

Um intransigente opositor das negociações sobre o programa nuclear iraniano, Netanyahu também alertou para o risco de uma “corrida nuclear no Médio Oriente”.

“Um acordo que pretende impedir uma proliferação terá um resultado contrário, uma corrida ao armamento nuclear na região mais perigosa do mundo”, disse o premiê, aplaudido de pé pelos congressistas presentes. “O regime iraniano representa uma grande ameaça para Israel, mas também para a paz no mundo inteiro."

A intervenção de Netanyahu foi, no entanto, marcada pela ausência de mais de 50 parlamentares democratas que decidiram, em uma situação sem precedentes, boicotar o discurso do governante israelense.

Ao mesmo tempo em que ele discursava no Capitólio, os chefes da diplomacia norte-americana e iraniana, John Kerry e Mohammad Javad Zarif, respectivamente, negociavam na Suíça um possível regulamento definitivo para a supervisão do programa nuclear do Irã. A aplicação de novas sanções é rejeitada pela Casa Branca, que receia que a medida possa abalar as negociações internacionais.

O primeiro-ministro de israel está em Washington desde domingo (1º) para contestar e denunciar o acordo que o Grupo 5+1 (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) e o Irã pretendem fechar até 31 de março. Ele espera que o Congresso norte-americano, atualmente controlado pelos republicanos, vote a favor de novas sanções contra o regime de Teerã. “Um acordo com o Irã não vai impedir a produção de bombas atômicas. Na verdade, [o Irã] poderá adquirir e produzir mais”, alertou.

A presença de no Congresso foi vista como um desafio a Barak Obama, que não foi informado com antecedência sobre a visita. O primeiro-ministro de Israel foi convidado pelo presidente da Câmara dos Representantes (Câmara Baixa do Congresso), o republicano John Boehner.

Em meados de janeiro, a Casa Branca anunciou que Obama não iria se encontrar com Netanyahu, justificando a decisão com a proximidade das eleições em Israel, agendadas para o dia 17 deste mês. No início do discurso, Netanyahu agradeceu a Obama pelo apoio a Israel. “Algumas das coisas que o presidente tem feito por Israel nunca serão conhecidas por serem questões sensíveis e estratégicas”, mas “conheço-as e serei sempre grato ao presidente Obama pelo apoio”, disse..

É a terceira vez que Netanyahu se dirige ao Congresso norte-americano, uma honra rara para um líder estrangeiro.

* Com Agência Lusa

Leia tudo sobre: euairãcongresso americanobenjamin netanyahuisraelnuclear

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas