Britânico jihadista do Estado Islâmico fumava maconha e bebia na adolescência

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mohamed Emwazi, de 27 anos, aparece em vídeo do Estado Islâmico como carrasco de jornalista norte-americano

Quando era mais jovem, o "jihadista John", identificado como Mohamed Emwazi, gostava de fumar maconha, beber vodca e era fanático pelo rap norte-americano. A informação foi divulgada por uma ex-colega de escola ao jornal britânico "The Sun".

Ainda de acordo com ela, eles se conheceram em 2001, quando tinham 12 anos e o jihadista adorava Eminen e Snoop Dogg e até se vestia como eles.

A colega destacou que ele "era violento com os outros alunos da escola". "Fumava maconha, bebia álcool e aos poucos ia se perdendo nas aulas", disse.

Mohammed Emwazi tinha origem kuaitiana e morava no oeste de Londres
Reprodução
Mohammed Emwazi tinha origem kuaitiana e morava no oeste de Londres

A jovem ainda garantiu tê-lo visto andando pelas ruas de Londres em 2012. "Estava vestido com trajes muçulmanos tradicionais, mas não nos falamos muito. Ele parecia um zumbi, sob o efeito de alguma droga", concluiu.

Britânico aparece em decapitação de jornalista

As autoridades britânicas já conheciam a identidade do extremista, mas resolveram mantê-la em sigilo para não comprometer as investigações sobre o Estado Islâmico, que atua no norte da Síria e do Iraque, mas tem se expandido a outros países, como a Líbia.

Emwazi tem 27 anos de idade e seria o homem que ficou mundialmente conhecido ao aparecer pela primeira vez em um vídeo divulgado em agosto – onde aparentemente assassina o jornalista americano James Foley.

+ Viúva de refém morto por carrasco do Estado Islâmico pede terrorista vivo
+ Carrasco do Estado Islâmico é identificado

Ele também apareceria nos vídeos que retratam as decapitações de Haines, do jornalista americano Steven Sotloff, do taxista britânico Alan Henning e do funcionário de ajuda humanitária Abdul-Rahman Kassig, também conhecido como Peter.

Conheça as organizações terroristas mais ricas do mundo

O Estado Islâmico é a organização terrorista mais rica do mundo. Com recursos vindos de crimes e do petróleo, os militantes administram até US$ 2 bilhões anuais. Foto: APAtuando na Faixa de Gaza, o Hamas - considerado terrorista pelo FBI -  tem renda anual de ao menos US$ 1 bilhão. Foto: Reprodução/YoutubeMilitantes das FARC, Forças Armadas Revolucionária da Colômbia, atua no país há mais de 50 anos com renda anual de até US$ 600 milhões. Foto: Reprodução/YoutubeO Hezbollah, que significa 'Partido de Deus', surgiu após invasão e ocupação do Líbano em 1982 por Israel. Grupo tem renda anual de US$ 500 milhões. Foto: Reprodução/YoutubeO movimento Taleban governou o Afeganistão de 1996 a 2001 e hoje tem renda estimada em US$ 400 milhões vindos principalmente do tráfico de drogas. Foto: Reprodução/YoutubeUma das organizações terroristas mais letais do mundo, a Al-Qaeda atua com cerca de US$ 150 milhões anuais. Foto: Wikemedia CommonsLashkar-e-Taiba, ou 'Exército dos justos', é um grupo radical islâmico paquistanês que atua no sudeste da Ásia com renda de até US$ 100 milhões ao ano. Foto: Reprodução/YoutubeNa Somália, a Al-Shabab é a maior organização militante do país e foi fundada em 2006. Hoje atua com cerca de US$ 70 milhões ao ano. Foto: APO IRA Real, facção radical do IRA, foi criado por ativistas que se opõem ao acordo de paz de 1998 e tem renda anual de até US$ 50 milhões. Foto: Reprodução/YoutubeBoko Haram, que significa 'educação ocidental é pecado', atua na Nigéria com anuais US$ 52 milhões. Foto: Reprodução/Youtube




Leia tudo sobre: eiilestado islâmico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas