Vítimas de esterilização de modelo que teria inspirado Hitler ganham indenização

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mais de 8 mil pessoas, a maioria negras, passaram por procedimento forçado no Estado da Virgínia entre 1920 e 1970

BBC

Legisladores do Estado americano da Virgínia determinaram o pagamento de indenizações para as pessoas que foram obrigadas a passar por esterilização décadas atrás.

As vítimas vão receber US$ 25 mil (quase R$ 72 mil) depois de uma longa batalha legal realizada por ativistas.

Com outros 30 Estados americanos, a Virgínia também tinha uma programa de esterilização para pessoas consideradas indesejáveis ou com doenças mentais.

Leia mais: Cirurgia de esterilização mata 13 mulheres e deixa 20 em estado grave na Índia

Ditadura copiou nazismo, diz irmão de vítima

Entre as décadas de 1920 e 1970 mais de 8 mil pessoas passaram por estas operações na Virgínia. No total cerca de 65 mil americanos foram esterilizados em 33 Estados.

Acredita-se que o programa implantado naquele Estado americano tenha servido de modelo para as políticas introduzidas por Adolf Hitler na década de 1940, quando ele tentou criar uma raça superior.

Além dos Estados Unidos, vários outros países tiveram políticas de esterilização obrigatória no século 20, entre eles Suécia, Canadá e Japão.

Sem aviso

Mais de um quinto das pessoas que passaram pela esterilização obrigatória no Estado da Virgínia eram negros.

Dois terços deste grupo era de mulheres.

De acordo com a correspondente da BBC Rajini Vaidhanathan, muitas delas foram a um hospital para passar por outros procedimentos e não sabiam o que estava acontecendo com elas.

Em 1927, a Suprema Corte dos Estados Unidos manteve a lei da eugenia no Estado da Virgínia, que determinava as esterilizações obrigatórias. Esta lei permaneceu em vigor até 1979.

O governo do Estado fez um pedido de desculpas pela política no ano de 2001.

Ativistas afirmam que há apenas 11 vítimas do programa que ainda estão vivas.

Entre elas está Lewis Reynolds, de 87 anos.

"Eu não pude ter uma família como todo mundo. Eles tiraram os meus direitos", disse ele à agência de notícias Associated Press.

O Estado da Virgínia é o segundo, depois da Carolina do Norte, a aprovar um pacote de indenizações para as vítimas do programa que ainda estão vivas.

Em 2013 os legisladores da Carolina da Norte aprovaram o pagamento de US$ 50 mil (cerca de R$ 143 mil) para as vítimas no Estado. Acredita-se que são 1,8 mil pessoas contempladas.

Leia tudo sobre: Esterelizaçãopolítica públicaeugeniaVirgíniaEUA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas