Religiosos muçulmanos defendem reforma da educação para conter extremismo

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

"Terrorismo não tem religião ou pátria; é injusto acusar o Islã", declararam em comunicado representantes da religião

Agência Brasil

Ulemás (sábio do islã) e dignitários religiosos muçulmanos do mundo inteiro manifestaram, nesta quarta-feira (25), a necessidade de uma reforma da educação para combater o extremismo. As manifestações vieram em um seminário de três dias sobre a luta contra o terrorismo realizado em Meca, na Arábia Saudita, onde também se pronunciaram a favor de uma revisão das mensagens religiosas incluídas nos programas escolares para que passem a ter "uma abordagem mais moderada".

Leia:
"O Estado Islâmico não pratica nenhuma vertente do islã", dizem especialistas

As recomendações integram um comunicado publicado no fim do seminário "O Islã e a Luta Antiterrorista", organizado pela Liga Islâmica Mundial, que reúne organizações não-governamentais e tem sede em Meca.

"A luta contra o terrorismo e o extremismo religioso não é contrária ao Islã", destaca o texto, que surge num momento em que a Arábia Saudita e outros estados árabes combatem os “jihadistas” do grupo extremista Estado Islâmico, em ação sobretudo no Iraque, Síria e Líbia. "O terrorismo não tem religião ou pátria e é injusto e errado acusar o Islã."

Leia mais:
Conheça o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, grupo que avança no país árabe
Principal clérigo xiita no Iraque convoca fiéis a pegar em armas contra milícia

Domingo (22), no início do seminário, o xeque da Al-Azhar, uma das mais prestigiadas instituições do Islã sunita, apelou aos países muçulmanos para que reformem os seus programas escolares, de modo a travar o extremismo religioso – resultado de "um acúmulo histórico de tendências excessivas, inerentes ao nosso patrimônio, nascido de uma errada interpretação do Corão e da Suna (palavras e atos do profeta Maomé)" , declarou o xeque Ahmed Al-Tayeb.

Veja os reféns do Estado Islâmico:

Kayla Mueller, refém norte-americana do Estado Islâmico, morreu na terça-feira (10 de fevereiro); segundo o grupo terrorista ela teria sido vítima de um bombardeio da Jordânia na Síria . Foto: APEstado Islâmico divulga vídeo onde suposto piloto jordaniano é queimado vivo em gaiola, no dia 3 de fevereiro. Foto: Reprodução/TwitterO jornalista japonês Kenji Goto foi morto pelos extremistas do Estado Islâmico no dia 30 de janeiro. Ele havia viajado para a Síria visando libertar o refém Yukawa. Foto: APImagem obtida por meio de vídeo do Estado Islâmico mostra o japonês Haruna Yukawa (à dir.), que foi decapitado em 24 de janeiro. Ele foi à Síria por ser fascinado por guerras. Foto: APO americano Peter Kassig foi identificado como o homem decapitado pelo Estado Islâmico em 16 de novembro de 2014. Ele era voluntário na Síria. Foto: ReutersNo dia 3 e outubro de 2014, o voluntário inglês Alan Henning foi decapitado pelos terroristas do Estado Islâmico. Foto: Reprodução/YoutubeVídeo mostra decapitação do refém britânico David Haines, que era voluntário na Síria e foi morto em 13 de setembro de 2014. Foto: ReutersImagem feita a partir de vídeo postado na internet pelo Estado Islâmico mostra jornalista americano Steven J. Sotloff antes de ser decapitado, no dia 2 de setembro de 2014. Foto: APInsurgentes do grupo jihadista Estado Islâmico divulgaram a decapitação do jornalista americano James Foley em 19 de agosto de 2014. Foto: Reprodução/Youtube

ss

Leia tudo sobre: islãArábia Sauditaterrorismo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas