Estado Islâmico sequestra 150 pessoas na Síria e 107 no Iraque

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Os jihadistas estariam preparando um vídeo de ameaças aos reféns para o presidente dos Estados Unidos e para os países que integram a coalizão que combate o Estado Islâmico

São cerca de 150 os cristãos sequestrados durante um ataque do grupo extremista Estado Islâmico a vilarejos do leste da Síria, informou a emissora CNN nesta quarta-feira (25).

Militantes do grupo extremista levam reféns para o local da execução (arquivo)
Reprodução

O ataque ocorreu há dois dias e, desde então, havia denúncias de que mais de 100 pessoas, entre crianças e mulheres, tinham sido sequestradas pelos jihadistas. Segundo a organização Assyrian Human Rights Network, os jihadistas estariam preparando um vídeo para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e para os países que integram a coalizão que combate o Estado Islâmico.

Na mensagem, os jihadistas pretendem ameaçar os reféns de morte. De acordo com a agência síria Sana, 89 pessoas foram sequestradas em Tal Hermez, Tal Shamiram e Tall Tamr.

Nesta quarta-feira (25), foi anunciado que o Estado Islâmico teria raptado mais 107 membros de uma tribo no Iraque, incluindo noves crianças.

Leia mais:
Estado Islâmico usa Nutella e até gatinhos para atrair mulheres, diz CNN
Estado Islâmico exibe 21 reféns curdos enjaulados pelas ruas do Iraque
"O Estado Islâmico não pratica nenhuma vertente do islã", dizem especialistas

O crime teria ocorrido a leste de Tikrit. Uma fonte local disse que os reféns são familiares de combatentes que lutam contra os jihadistas. O sequestro no Iraque também teria ocorrido há dois ou três dias.

Relembre os reféns do Estado Islâmico:

Kayla Mueller, refém norte-americana do Estado Islâmico, morreu na terça-feira (10 de fevereiro); segundo o grupo terrorista ela teria sido vítima de um bombardeio da Jordânia na Síria . Foto: APEstado Islâmico divulga vídeo onde suposto piloto jordaniano é queimado vivo em gaiola, no dia 3 de fevereiro. Foto: Reprodução/TwitterO jornalista japonês Kenji Goto foi morto pelos extremistas do Estado Islâmico no dia 30 de janeiro. Ele havia viajado para a Síria visando libertar o refém Yukawa. Foto: APImagem obtida por meio de vídeo do Estado Islâmico mostra o japonês Haruna Yukawa (à dir.), que foi decapitado em 24 de janeiro. Ele foi à Síria por ser fascinado por guerras. Foto: APO americano Peter Kassig foi identificado como o homem decapitado pelo Estado Islâmico em 16 de novembro de 2014. Ele era voluntário na Síria. Foto: ReutersNo dia 3 e outubro de 2014, o voluntário inglês Alan Henning foi decapitado pelos terroristas do Estado Islâmico. Foto: Reprodução/YoutubeVídeo mostra decapitação do refém britânico David Haines, que era voluntário na Síria e foi morto em 13 de setembro de 2014. Foto: ReutersImagem feita a partir de vídeo postado na internet pelo Estado Islâmico mostra jornalista americano Steven J. Sotloff antes de ser decapitado, no dia 2 de setembro de 2014. Foto: APInsurgentes do grupo jihadista Estado Islâmico divulgaram a decapitação do jornalista americano James Foley em 19 de agosto de 2014. Foto: Reprodução/Youtube


Leia tudo sobre: Estado IslâmicoSíriaIraque

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas