Nobel da Paz pede demissão após denúncia de abuso sexual

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Indiano Rajendra Pachauri é acusado por pesquisadora de 29 anos de "repetido comportamento impróprio, inclusive por mensagens de correio eletrônico e de telefone celular"

Agência Brasil

O presidente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas (ONU), Rajendra Pachauri, pediu nesta terça-feira (24) demissão do cargo, após a polícia indiana ter iniciado uma investigação contra ele por suposto abuso sexual.

O indiano Rajendra Pachauri, agora ex-IPCC: polícia indiana iniciou investigação contra ele
Divulgação/ONU
O indiano Rajendra Pachauri, agora ex-IPCC: polícia indiana iniciou investigação contra ele

Pachauri justificou ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, o pedido de demissão devido à necessidade do organismo de ter “uma direção forte”.

“O IPCC precisa de uma direção forte, do tempo e da plena atenção do seu presidente no futuro imediato, o que, nas atuais circunstâncias, não poderei ser capaz de dar”, disse Pachauri, 74 anos, na carta enviada a Ban Ki-moon.

Leia mais:
Acusado de cafetinagem, ex-diretor do FMI começa a ser julgado na França
Papa exige que bispos nunca escondam escândalos de pedofilia

O indiano é acusado por uma pesquisadora de 29 anos do Instituto da Energia e Recursos que dirige em Nova Deli de repetido comportamento impróprio, inclusive por mensagens de correio eletrônico e de telefone celular.

Após aceitar a demissão de Pachauri, que presidiu o organismo nos últimos 13 anos, o IPCC designou o vice-presidente, Ismail El Gizouli, para a presidência. “As ações tomadas hoje (segunda-feira) assegurarão que a missão do IPCC de avaliar as alterações climáticas continue sem interrupção”, disse o diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Achim Steiner.

Em 2007, o IPCC recebeu juntamente com o ex-vice-presidente americano Al Gore o prêmio Nobel da Paz pelos esforços para promover e divulgar um maior conhecimento sobre as alterações climáticas e por definir a base das medidas necessárias para combater o fenômeno.

Leia tudo sobre: ONUnobel da pazescândalo sexual

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas