Venezuela: polêmicas, fervor e greve de fome marcam trajetória de antichavista

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Preso em polêmica operação policial na quinta-feira, prefeito de Caracas, ele mesmo uma figura controversa, defendia saída 'inadiável' de Maduro a todo custo

BBC

Ledezma teria sido detido pelo Serviço Bolivariano de Inteligência na Venezuela
EPA
Ledezma teria sido detido pelo Serviço Bolivariano de Inteligência na Venezuela

Detido na tarde de quinta-feira (19) durante uma polêmica operação policial, o prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, é uma das figuras mais proeminentes – e ardentes – da oposição ao chavismo na Venezuela.

Em fevereiro de 2014, ele foi uma das vozes que publicamente apoiaram a violência nos protestos contra o governo do presidente Nicolas Maduro, que deixaram 43 mortos e milhares de feridos.

Leia mais: Maduro cita golpe, prende prefeito de Caracas e fala em luta contra conspiração

Ao lado do líder partidário Leopoldo Lopez e da ex-deputada Maria Corina Machado, Ledezma defendia então que Maduro deveria deixar a Presidência.

Em janeiro deste ano, ele foi signatário de um comunicado conjunto em que a saída do presidente era considerada "inadiável" em 2015. A postura contribuiu para a acusação de golpe sob a qual o prefeito foi preso.

Greve de fome

Não foi a primeira vez. Em abril de 2002, durante o fracassado golpe que tirou Hugo Chávez do poder por menos de 48 horas, Ledezma chegou a participar da toma da prefeitura do município de El Libertador – o principal município da Grande Caracas, que inclui o centro histórico da capital venezuelana – quando a polícia do regime golpista ainda procurava o prefeito derrubado, Freddy Bernal, aliado a Chávez.

Dia 13: Venezuela prende cinco militares sob suspeita de golpe de Estado

Bernal havia derrotado Ledezma em eleições dois dias antes, mas o opositor desconhecera os resultados alegando fraude.

Eleito para governar a região metropolitana de Caracas em 2008, com 52% dos votos, Ledezma desde então vinha em rota de colisão com o Palácio de Miraflores.

Um dos primeiros entreveros mais graves ocorreu ainda nos tempo em que Hugo Chavez era o chefe de Estado. Mais especificamente quando Chavez criou, por decreto, um cargo paralelo ao de prefeito e para ele transferiu uma parte significativa dos poderes municipais, incluindo o controle da polícia.

Nos anos seguintes ao golpe de 2002, eram constantes as tensões entre as polícias da Grande Caracas e de El Libertador.

Ledezma respondeu com uma greve de fome na sede da Organização dos Estados Americanos (OEA) em Caracas, o que causou intensa repercussão internacional.

O protesto durou seis dias, mas embora o cargo de Ledezma ainda tenha importância pública na Venezuela, seu poder é simbólico.

'Delitos'

Com 59 anos, o prefeito tem um passado político maior que o sugerido pela idade. Advogado, ele ingressou na política nos anos 70 e já era deputado federal na década seguinte.

Em 1994, entrou para o Senado, sempre integrando a Aliança Democrática, principal partido venezuelano até a ascensão do chavismo.

Recentemente, Ledezma ironizara pronunciamentos de Maduro sobre um suposto golpe ao dizer que a principal ameaça à Venezuela era a "corrupção no governo".

"O regime de Maduro já falou em 12 golpes de estado. Mas quem realmente tem o golpismo em seu sangue são os senhores que fazem parte deste governo."

O paradeiro do prefeito é desconhecido desde a operação de quinta-feira. Num discurso feito em cadeia nacional, o presidente disse que Ledezma será julgado por "delitos contra a paz do país, a segurança e a Constituição".

Leia tudo sobre: Maduroprisãoledezma

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas