Dilma Rousseff recusa credencial do novo embaixador da Indonésia no Brasil

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Toto Riyanto tentou repassar a credencial hoje; ação impede que ele represente seu país em audiências e eventos no Brasil

Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff se recusou a receber nesta sexta-feira (20) a carta credencial do novo embaixador da Indonésia no Brasil, Toto Riyanto.

Janeiro: Brasileiro preso por tráfico de drogas é executado na Indonésia

Toto Riyanto esteve no Palácio do Planalto para entregar carta credencial, recusada por Dilma Rousseff (arquivo)
Reprodução/Facebook
Toto Riyanto esteve no Palácio do Planalto para entregar carta credencial, recusada por Dilma Rousseff (arquivo)

Política: Após fuzilamento, embaixador do Brasil na Indonésia é chamado para consulta

Com essa ação, ele não poderá representar a Indonésia em audiências ou solenidades oficiais no Brasil. Toto Riyanto esteve no Palácio do Planalto para repassar ao governo brasileiro a carta credencial, assim como os novos embaixadores da Venezuela, de El Salvador, do Panamá, do Senegal e da Grécia. A cerimônia foi encerrada sem a participação do indonésio.

“Achamos que é importante que haja uma evolução na situação para que a gente tenha clareza em que condições estão as relações da Indonésia com o Brasil. O que nós fizemos foi atrasar um pouco o recebimento de credenciais, nada mais que isso”, explicou a presidente em entrevista após a cerimônia.

Ontem: Anistia Internacional pede que Indonésia suspenda execução de 11 pessoas

Rodrigo Gularte foi condenado à morte em 2005 por chegar à Indonésia com seis quilos de cocaína. Foto: Reprodução/FacebookSegundo imprensa local, execução de Gularte deveria ocorrer ainda neste mês. Foto: AFPBrasileiro condenado a morte na Indonésia por tráfico de drogas foi executado no dia 17 de janeiro. Foto: Reprodução/YoutubeExecução foi feita mesmo após pedidos de cancelamento feitos pelo governo brasileiro. Foto: ReproduçãoMarco Archer Cardoso Moreira, 53, foi executado na madrugada de domingo (17) no horário indonésio – por volta das 15h no Brasil. Foto: Reprodução/FacebookMoreira era solteiro, não tinha filhos e seus pais haviam morrido; uma tia foi visitá-lo na Indonésia antes da execução. Foto: Reprodução/FacebookO brasileiro foi preso em 2003 ao entrar no aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína. Foto: Reprodução/InternetBalsa foi usada para transportar brasileiro para local da execução. Foto: AP

É a primeira vez que Dilma fala com jornalistas desde o fim de dezembro, antes de tomar posse do segundo mandato.

No dia 17 de janeiro, o brasileiro Marco Archer foi fuzilado na Indonésia, em cumprimento à pena de morte por tráfico de drogas. Após a execução, Dilma convocou o embaixador brasileiro na Indonésia, um ato diplomático que demonstrou a insatisfação do Brasil.

Brasil: Itamaraty pede que brasileiro condenado à morte seja hospitalizado 

Outro brasileiro condenado à pena de morte na Indonésia, Rodrigo Gularte, aguarda execução. 

Leia tudo sobre: indonesiadilmagularteriyantoexecucoes na indonesia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas