Anistia Internacional condena prisão de prefeito na Venezuela: "Caça às bruxas"

Por iG São Paulo * | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Antonio Ledezma foi detido em seu gabinete em Caracas; segundo Nicolás Maduro, ele cometeu delitos contra o país

No dia seguinte à prisão de Antonio Ledezma, prefeito de Caracas, a Anistia Internacional divulgou uma nota na qual condenou a ação praticada pelo Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) a mando do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. 

Agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional invadem gabinete de Ledezma, na quinta
Reprodução/BBC
Agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional invadem gabinete de Ledezma, na quinta

Com o título "Continua a caça à bruxas", o texto da AI classifica a detenção de Ledezma como "extremamente preocupante". "No contexto venezuelano atual, mais uma vez as autoridades mostram que não há interesse em priorizar os direitos humanos mas, sim, em silenciar as vozes críticas ao governo", afirma a nota, publicada na tarde desta sexta-feira (20).

O próprio presidente venezuelano, Nicolás Maduro, confirmou a prisão do político, justificando que Ledezma terá de "responder por delitos cometidos contra a segurança e a Constituição do país".

Leia mais:
Maduro cita golpe, prende prefeito de Caracas e fala em luta contra conspiração
Polêmicas, fervor e greve de fome marcam trajetória do prefeito antichavista
Câmera de segurança flagra prisão de prefeito de Caracas; assista

Segundo a mídia venezuelana, agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) entraram no gabinete do prefeito em Caracas por volta das 17h (horário local – 19h de Brasília) e o levaram preso.

O próprio Ledezma avisou por meio de sua conta no Twitter que "funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência estavam tentando entrar em seu escritório" na capital venezuelana. Pessoas que estavam perto do gabinete do prefeito disseram que foi possível ouvir tiros.

O prefeito de Caracas, Antonio Ledezma: ele comunicou detenção em tempo real no Twitter
EPA
O prefeito de Caracas, Antonio Ledezma: ele comunicou detenção em tempo real no Twitter

"Inaceitável"
"Em um estado de direito é inaceitável que se detenha indivíduos sem evidência de que tenham realmente cometido um delito", continua a nota da Anistia Internacional, citando a prisão de vários opositores ao longo do último ano no país, cada vez mais parecido a uma ditadura do que a uma democracia.

A nota ainda cita as detenções recentes do juiz Alí Fabricio Paredes, além da do advogado Tadeo Arriechi, ambos por supostamente somente desagradar o governo Maduro.

"Enquanto as autoridades venezuelanas não levarem a sério priorizar os direitos humanos e entenderem que em um estado de direito deve ser dar espaço à oposição o país seguirá nesta espiral de deterioração que afetará as pessoas mais vulneráveis", resumiu a AI.

* Com BBC Brasil

Veja a violência adotada por forças venezuelanas em protestos no país:

Polícia nacional da Venezuela dispara gás lacrimogêneo enquanto manifestante antigoverno se ajoelha segurando pedra durante confrontos em Caracas (6/4). Foto: ReutersManifestantes mostram cartazes com fotos de ativistas mortos durante protestos antigoverno na Plaza Altamira em Caracas, Venezuela (20/3). Foto: APPartidários do líder da oposição Leopoldo López se reúnem para protesto que pede a libertação do político após um mês de sua prisão, na Venezuela (18/03). Foto: APGuardas das forças bolivarianas patrulham a Plaza Altamira após tomarem o controle do local em Caracas, Venezuela (17/3). Foto: APEstudante da Universidade Central da Venezuela grita contra governo de Nicolás Maduro durante protesto em Caracas (12/3). Foto: APManifestante antigoverno corre em meio ao gás lacrimogêneo lançado pela polícia durante protesto em Caracas, Venezuela (12/3). Foto: ReutersManifestante joga lata de gás lacrimogêneo em direção à polícia durante protesto antigoverno em Caracas, Venezuela (11/3). Foto: APGuardas prendem manifestante durante conflitos entre ativistas e motociclistas em Los Ruices, Venezuela (10/3). Foto: APPolícia impede passagem de manifestantes que protestavam contra escassez de alimentos (8/3). Foto: APManifestantes se preparam para jogar coquetéis molotov durante confrontos em Caracas, Venezuela (6/3). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana se protegem de fogos de artifício lançados contra eles por manifestantes em Caracas, Venezuela (março/2014). Foto: APManifestantes seguram cartazes com imagens de venezuelanos que foram mortos nas duas últimas semanas durante marcha em Caracas (28/2). Foto: APManifestantes rolam cano de água na tentativa de bloquear uma rodovia importante em Caracas, Venezuela (27/02). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana avançam em direção a protestos antigoverno em Valencia, Venezuela (26/2). Foto: APManifestante segura placa em frente de cordão da Guarda Nacional Bolivariana durante protesto perto da Embaixada de Cuba em Caracas, Venezuela (25/2). Foto: APObjetos colocados por manifestantes da oposição bloqueiam estrada no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APOpositor caminha perto de acusação feita a presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em rua no bairro de Altamira, Caracas (21/2). Foto: ReutersManifestante envolto com a bandeira da Venezuela coloca mais objetos em barricada em chamas no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APPartidários do governo venezuelano marcham no centro de Caracas (20/2). Foto: APManifestante levanta os braços em direção à polícia que lança gás lacrimogêneo em bairro de Caracas, Venezuela (19/2). Foto: APMiss Génesis Carmona é levada de moto a hospital. Ela morreu após ter sido atingida por disparo na cabeça em 18/2. Foto: Reprodução/TwitterManifestante usa máscara caseira para se proteger de gás durante protestos em avenida de Caracas, Venezuela (18/02). Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente Nicolás Maduro durante marcha em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APLeopoldo López, líder da oposição da Venezuela, é preso vestido de branco e segurando flor em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APManifestante cobre a boca com pano durante protesto contra a censura do governo venezuelano em Caracas (17/2). Foto: APManifestante atira pedras na Força Nacional Bolivariana durante protesto na Venezuela (15/2). Foto: APManifestantes fecham a principal via da Venezuela (15/2). Foto: ReutersManifestantes na Venezuela são dipersados com canhões de água e gás lacrimogêneo (15/2). Foto: Carlos Garcia Rawlins/ReutersUniversitária segura cartaz em que se lê 'E quem tem as armas?' enquanto se manifesta contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes choram durante vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes comparecem à vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APJovem segura livro marcado em espanhol com a frase 'Esta é a minha arma' durante protesto contra repressão de estudantes em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudante segura cartaz em que se lê 'Paz e liberdade' durante manifestação em Caracas, Venezuela (13/2)
. Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante protesto em Caracas (13/2)
. Foto: AP


Leia tudo sobre: venezuelaanistia internacionalledezma

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas