Rodrigo Gularte está preso desde 2004 após entrar com 6 quilos de cocaína escondidos em pranchas de surfe

Agência Brasil

Gularte foi diagnosticado com esquizofrenia; com laudo, família tenta impedir fuzilamento
AFP
Gularte foi diagnosticado com esquizofrenia; com laudo, família tenta impedir fuzilamento

O Ministério das Relações Exteriores informou nesta quinta (19) que um representante da Embaixada do Brasil em Jacarta entregará em mãos, nesta sexta-feira (20), uma carta ao diretor da Penitenciária Pssar Putih, onde Rodrigo Gularte está preso, solicitando a transferência do brasileiro para um hospital psiquiátrico na cidade de Yogyakarta.

Gularte, de 42 anos, está preso desde 2004 após entrar na Indonésia com 6 quilos de cocaína escondidos em pranchas de surfe e foi condenado à morte no ano seguinte.

Gularte foi diagnosticado com esquizofrenia e um laudo assinado por um psiquiatria da rede pública da Indonésia confirmou o diagnóstico. Segundo o jornal The Jakarta Post, a Procuradoria-Geral indonésia vai pedir uma segunda opinião médica para decidir o destino do brasileiro. A legislação local prevê que o condenado tenha que estar plenamente ciente da execução.

Entenda:

Execuções têm apoio público na Indonésia
Mesmo com pena de morte, uso de drogas na Indonésia deve crescer 45% em 2015
Brasileiro na Indonésia: 10% dos condenados à morte têm transtorno mental

A Indonésia adiou a execução de sete estrangeiros, incluindo o brasileiro, e quatro indonésios prevista para este mês, alegando problemas logísticos na prisão da Ilha de Nusakambangan onde ocorrerá o fuzilamento. Todos tiveram o pedido de clemência negado pelo presidente indonésio, Joko Widodo. A nova data ainda não foi marcada.

A Austrália tem feito grande pressão para que Jacarta suspenda a execução de dois cidadãos australianos que estão no corredor da morte junto com o brasileiro. Andrew Chan, 31 anos, e Myuran Sukumaran, 33, também foram condenados por tráfico de drogas. Ontem, o primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, pediu à Indonésia para lembrar da importante ajuda do país quando ocorreu o devastador tsunami de 2004.

Tony Abbott afirmou que continua fazendo “as mais fortes representações pessoais” ao presidente indonésio, advertindo que ficaria “tremendamente desiludido” se os seus pedidos de clemência forem ignorados.

No dia 17 de janeiro, o carioca Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, foi fuzilado na Indonésia por tráfico de drogas . Ele foi o primeiro brasileiro executado por crime no exterior.

Veja imagens do brasileiro fuzilado em janeiro:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.