Ucrânia acusa Rússia de sabotar processo de paz

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Conselheiro diplomático da presidência ucraniana Valeri Tchaly pediu intervenção do Ocidente no conflito

Agência Brasil

As autoridades ucranianas acusaram nesta terça-feira (17) a Rússia e os rebeldes pró-Moscou de sabotar o frágil processo de paz no Leste da Ucrânia, após a ofensiva lançada pelos separatistas na cidade estratégica de Debaltseve, palco de violentos combates.

Conflito no leste da Ucrânia continua apesar de um acordo de paz ter sido firmado
AP
Conflito no leste da Ucrânia continua apesar de um acordo de paz ter sido firmado

Leia mais: Equipe da BBC escapa de explosão de morteiro na Ucrânia

Rebeldes afirmam ter tomado controle de cidade estratégica no leste da Ucrânia

“Moscou e os rebeldes não estão respeitando os acordos de Minsk 2, concluídos na semana passada, e estão destruindo a esperança de paz”, criticou o conselheiro diplomático da Presidência ucraniana, Valeri Tchaly. Ele pediu que o Ocidente a intervenha no conflito.

O Exército ucraniano informou que os separatistas entraram em Debaltseve, uma cidade estratégica para o controle do Leste da Ucrânia. Nas últimas semanas, a localidade tem sido a principal a área dos combates.

O embate Ucrânia x Rússia em imagens

Ataque de artilharia contra a cidade de Mariupol, na Ucrânia, deixou ao menos 29 mortos. Foto: Associated PressAtaque de artilharia na cidade de Mariupol, na Ucrânia, deixou ao menos 29 mortos neste 24 de janeiro. Foto: Associated PressOfensiva rebelde deixa ao menos 29 mortos na Ucrânia neste 24 de janeiro. Foto: Associated Press


Violentos confrontos prosseguiam no fim da tarde de hoje. O Exército ucraniano reconheceu, pela primeira vez, que várias das suas unidades militares estão cercadas.

Os separatistas reivindicam o controle de 80% da cidade. O governo de Kiev garante que apenas uma parte de Debaltseve escapa agora à autoridade. “Nos próximos dias, ou mesmo hoje, Debaltseve será limpa [pelos separatistas]”, disse um responsável militar rebelde Vladimir Kononov.

Leia tudo sobre: UcrâniaRússiaconflitoscombates

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas