ONU condena a morte de 21 cristãos egípcios pelo Estado Islâmico na Líbia

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Terroristas divulgaram vídeo com a decapitação dos cristãos egípcios após terem sido sequestrados na cidade de Sirte

Agência Brasil

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) condenou o que chamou de "hediondo" o assassinato de 21 cristãos egípcios na Líbia pelo Estado Islâmico (EI).

Ontem: Estado Islâmico divulga vídeo de decapitação de 21 cristãos egípcios

Militantes do grupo extremista levam reféns para o local da execução (15/02)
Reprodução
Militantes do grupo extremista levam reféns para o local da execução (15/02)

"Este crime demonstra mais uma vez a brutalidade do EI, que é responsável por crimes e abusos contra pessoas de todos os credos, etnias e nacionalidades, sem olhar a qualquer valor básico da humanidade", diz comunicado do Conselho de Segurança da ONU emitido na noite de domingo (15).

O Estado Islâmico divulgou, no domingo, um vídeo que mostra a decapitação de 21 cristãos egípcios que foram sequestrados na cidade de Sirte, no Norte da Líbia.

Na mesma nota, o Conselho de Segurança das Nações Unidas faz referência à resolução, adotada por unanimidade na quinta-feira (12), para bloquear o financiamento de grupos jihadistas, que obtêm milhões com contrabando de petróleo, tráfico de antiguidades e resgates pagos pela libertação de reféns.

Kayla Mueller, refém norte-americana do Estado Islâmico, morreu na terça-feira (10 de fevereiro); segundo o grupo terrorista ela teria sido vítima de um bombardeio da Jordânia na Síria . Foto: APEstado Islâmico divulga vídeo onde suposto piloto jordaniano é queimado vivo em gaiola, no dia 3 de fevereiro. Foto: Reprodução/TwitterO jornalista japonês Kenji Goto foi morto pelos extremistas do Estado Islâmico no dia 30 de janeiro. Ele havia viajado para a Síria visando libertar o refém Yukawa. Foto: APImagem obtida por meio de vídeo do Estado Islâmico mostra o japonês Haruna Yukawa (à dir.), que foi decapitado em 24 de janeiro. Ele foi à Síria por ser fascinado por guerras. Foto: APO americano Peter Kassig foi identificado como o homem decapitado pelo Estado Islâmico em 16 de novembro de 2014. Ele era voluntário na Síria. Foto: ReutersNo dia 3 e outubro de 2014, o voluntário inglês Alan Henning foi decapitado pelos terroristas do Estado Islâmico. Foto: Reprodução/YoutubeVídeo mostra decapitação do refém britânico David Haines, que era voluntário na Síria e foi morto em 13 de setembro de 2014. Foto: ReutersImagem feita a partir de vídeo postado na internet pelo Estado Islâmico mostra jornalista americano Steven J. Sotloff antes de ser decapitado, no dia 2 de setembro de 2014. Foto: APInsurgentes do grupo jihadista Estado Islâmico divulgaram a decapitação do jornalista americano James Foley em 19 de agosto de 2014. Foto: Reprodução/Youtube

“Os membros do Conselho de Segurança sublinham a necessidade da plena implementação da Resolução 2199, adotada em 12 de fevereiro, para cortar as redes de apoio do Estado Islâmico”, diz o comunicado.

Leia tudo sobre: eiileiil no iraqueegitoonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas