Ban Ki-moon condena ataques em Copenhague

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) fez um apelo em defesa da liberdade de expressão e da tolerância

Agência Brasil

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, condenou hoje (15) os ataques de ontem (14), em Copenhague (Dinamarca), que deixaram dois mortos e cinco feridos. Ele fez um apelo em defesa da liberdade de expressão e da tolerância.

Para Ban Ki-moon, “não há nenhuma justificativa para ataques contra civis”, de acordo com comunicado divulgado pela ONU.

Leia mais: Ministro do Interior da França visita Copenhague em solidariedade pelos ataques

“Não há lugar para o antissemitismo e outras formas de discriminação racial, étnica ou religiosa no mundo de hoje”, destacou.

Ban Ki-moon transmitiu também sua solidariedade ao povo e às autoridades dinamarquesas e disse que seus pensamentos estão com as vítimas e as suas famílias.

Protesto contra terrorismo levou milhares às ruas de Copenhague, na Dinamarca, na noite desta segunda-feira (16). Foto: APProtesto contra terrorismo levou milhares às ruas de Copenhague, na Dinamarca, na noite desta segunda-feira (16). Foto: APProtesto contra terrorismo levou milhares às ruas de Copenhague, na Dinamarca, na noite desta segunda-feira (16). Foto: APA primeira-ministra da Dinamarca, Helle Thorning-Schmidt, durante ato na capital. Foto: APProtesto contra terrorismo levou milhares às ruas de Copenhague, na Dinamarca, na noite desta segunda-feira (16). Foto: APPoliciais investigam cena do crime que ocorreu em Copenhagen, Dinamarca. Polícia atingiu e matou suspeito de ter disparado ontem contra um evento sobre liberdade de expressão. Foto: APMovimentação de viaturas na rua que abriga a maior sinagoga de Copenhague, onde três foram baleados neste domingo (15). Foto: Steen A. Jørgenssen/ReproduçãoImagem mostra suspeito de ataque a café durante um ato por liberdade de experessão, neste sábado (14), em Copenhague. Foto: APPolicial armado corre perto da rua onde houve um ataque terrorista em um evento chamado "Arte, blasfêmia e e liberdade de expressão", em Copenhagen, na Dinamarca. Foto: APServiços de emergência se reúnem fora do local onde os tiros foram disparados. Foto: APMídia dinamarquesa informa que os disparos foram contra um café em Copenhagen, onde estava acontecendo o evento "Arte, blasfêmia e liberdade de expressão", organizado pelo artista sueco Lars Vilks, que tem enfrentado ameaças por fazer caricaturas do profeta Maomé, em 2007. Foto: APForças de segurança patrulham o local em que os disparos foram feitos, em Copenhagen. Foto: APEm foto de arquivo, de 3 de janeiro de 2013, o artista sueco Lars Vilks posa para uma fotografia em Nyhamnsläge, Suécia. Tiros foram disparados neste sábado, 14, em um café em Copenhague que estava sediando um evento sobre liberdade de expressão, organizado pelo artista. Ele tem recebido inúmeras ameaças por fazer caricaturas do profeta Maomé. Foto: AP

As autoridades dinamarquesas mantêm o estado de alerta em Copenhague, um dia depois dos atentados a um centro cultural e uma sinagoga.

Na madrugada de domingo, a polícia matou o suposto autor dos tiros, que já estava sendo procurado pelos serviços de inteligência.

Leia também: Após ataque na Dinamarca, Netanyahu diz para judeus imigrarem para Israel

O primeiro tiroteio em Copenhague ocorreu durante a tarde de sábado num centro cultural em que se realizava um debate sobre a liberdade de expressão, para o qual estava convidado o artista sueco Lars Vilks, que vive há anos sob proteção policial devido às ameaças de grupos islâmicos depois de desenhar Maomé como um cão.

O segundo ataque foi às portas de uma sinagoga em que se realizava uma cerimônia de “bar mitzvá” (que marca a maioridade religiosa judaica).

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas