Após ataque na Dinamarca, Netanyahu diz para judeus imigrarem para Israel

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Primeiro-ministro diz que governo discutirá plano de US$ 46 milhões para incentivar imigração judaica

AP

Benjamin Netanyahu disse que Israel é a casa de todos os judeus
AP
Benjamin Netanyahu disse que Israel é a casa de todos os judeus

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu está chamando para a "imigração em massa" dos judeus europeus para Israel após o ataque a tiros do lado de fora uma sinagoga Copenhague que matou um judeu dinamarquês.

Netanyahu diz que o governo irá discutir neste domingo (15) um plano de US$ 46 milhões para incentivar a imigração judaica da França, Bélgica e Ucrânia.

"É esperado que continue essa onda de ataques", disse Netanyahu no início de uma reunião de gabinete. "Os judeus merecem segurança em todos os países, mas nós dizemos aos nossos irmãos e irmãs judeus, Israel é a sua casa."

Neste sábado (14), uma pessoa foi morta e três policiais foram feridos quando um homem abriu fogo em um café. No local era realizado um debate sobre blasfêmia e liberdade de expressão.

No segundo ataque, um segurança judeu de 37 anos foi morto enquanto trabalhava como guarda em uma cerimônia na principal sinagoga da cidade. Dois policiais ficaram feridos.

Entenda: Polícia mata suspeito após dois ataques na Dinamarca

Jair Melchior, rabino-chefe da Dinamarca, disse que estava "desapontado" com o chamado de Netanyahu para a imigração após o ataque. "Terror não é uma razão para ir para Israel", disse ele.

Protesto contra terrorismo levou milhares às ruas de Copenhague, na Dinamarca, na noite desta segunda-feira (16). Foto: APProtesto contra terrorismo levou milhares às ruas de Copenhague, na Dinamarca, na noite desta segunda-feira (16). Foto: APProtesto contra terrorismo levou milhares às ruas de Copenhague, na Dinamarca, na noite desta segunda-feira (16). Foto: APA primeira-ministra da Dinamarca, Helle Thorning-Schmidt, durante ato na capital. Foto: APProtesto contra terrorismo levou milhares às ruas de Copenhague, na Dinamarca, na noite desta segunda-feira (16). Foto: APPoliciais investigam cena do crime que ocorreu em Copenhagen, Dinamarca. Polícia atingiu e matou suspeito de ter disparado ontem contra um evento sobre liberdade de expressão. Foto: APMovimentação de viaturas na rua que abriga a maior sinagoga de Copenhague, onde três foram baleados neste domingo (15). Foto: Steen A. Jørgenssen/ReproduçãoImagem mostra suspeito de ataque a café durante um ato por liberdade de experessão, neste sábado (14), em Copenhague. Foto: APPolicial armado corre perto da rua onde houve um ataque terrorista em um evento chamado "Arte, blasfêmia e e liberdade de expressão", em Copenhagen, na Dinamarca. Foto: APServiços de emergência se reúnem fora do local onde os tiros foram disparados. Foto: APMídia dinamarquesa informa que os disparos foram contra um café em Copenhagen, onde estava acontecendo o evento "Arte, blasfêmia e liberdade de expressão", organizado pelo artista sueco Lars Vilks, que tem enfrentado ameaças por fazer caricaturas do profeta Maomé, em 2007. Foto: APForças de segurança patrulham o local em que os disparos foram feitos, em Copenhagen. Foto: APEm foto de arquivo, de 3 de janeiro de 2013, o artista sueco Lars Vilks posa para uma fotografia em Nyhamnsläge, Suécia. Tiros foram disparados neste sábado, 14, em um café em Copenhague que estava sediando um evento sobre liberdade de expressão, organizado pelo artista. Ele tem recebido inúmeras ameaças por fazer caricaturas do profeta Maomé. Foto: AP


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas