Boko Haram invade cidade na Nigéria e Exército reage

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Eles dispararam tiros de armas pesadas e jogaram panfletos chamando os residentes para boicotar as próximas eleições

Agência Brasil

Boko Haram Nigéria
Reprodução/Youtube
Boko Haram Nigéria

Centenas de islamitas do grupo terrorista Boko Haram invadiram neste sábado (14) a cidade nigeriana de Gombe. Eles dispararam tiros de armas pesadas e jogaram panfletos chamando os residentes para boicotar as próximas eleições gerais.

“Os guerrilheiros do Boko Haram estão agora em Jeka-da-Fari, no centro da cidade, disparando indiscriminadamente e atirando panfletos chamando as pessoas a não participar nas eleições”, disse Ali Dahiru, morador da cidade.

Leia também:

+ Imagens de satélite mostram devastação na Nigéria após ataque do Boko Haram
+ Cerca de 900 mil nigerianos já abandonaram suas casas para escapar do Boko Haram
+ O que aconteceu com as jovens sequestradas pelo Boko Haram?

Outras testemunhas relataram que os extremistas atacaram a cidade por volta das 8h (horário local). No começo, avançaram sem qualquer resistência das forças de segurança. Em seguida, o Exército reagiu ao ataque dos extremistas.

O Boko Haram já promoveu ataques em Gombe. O último ocorreu há duas semanas, quando o grupo explodiu um veículo no estacionamento de um estádio em que o presidente do país, Goodluck Jonathan, fazia um discurso eleitoral.

O grupo extremista também tentou, em janeiro e fevereiro, tomar a capital do estado de Borno, Maiduguri, mas o Exército conseguiu evitar a ofensiva.

Martha Mark, mãe de Monica Mark, uma das sequestradas em escola nigeriana, chora ao mostrar foto da jovem na casa da família em Chibok, Nigéria (19/05). Foto: APApós possível divisão do grupo de reféns analistas dizem que resgates pode levar anos (8/05). Foto: AFPEstudantes protestam do lado de fora do consulado nigeriano em Nova York, EUA, pelas meninas sequestradas pelo Boko Haram na Nigéria (28/05). Foto: ReutersAluna de uma escola sul-africana, com tradicionais manchas de tinta no rosto, participa de protesto silencioso pelas jovens raptadas na Nigéria (14/05). Foto: APMulher grita durante manifestação incitando o Governo a agilizar o resgate das meninas sequestradas, em Abuja, Nigéria (11/05). Foto: APAtivistas participam da campanha 'Tragam nossas meninas de volta durante vigília realizada no Dia das Mães em Los Angeles, EUA (11/05). Foto: ReutersQuatro estudantes que conseguiram escapar do sequestro feito pelo grupo Boko Haram em escola de Chibok, Nigeria (2/05). Foto: APAbubakar Shekau, suposto líder do grupo extremista Boko Haram, fala sobre o sequestro de estudantes no nordeste na Nigéria (5/05). Foto: APUma mãe não identificada chora durante manifestação com outros pais cujas filhas foram sequestradas em escola de Chibok, Nigéria (29/04). Foto: APManifestante segura cartaz contra os raptos de garotas feito pelo grupo islâmico Boko Haram (5/05). Foto: APManifestantes protestam contra a demora do governo da Nigéria em encontrar as mais de 200 estudantes raptadas de escola em Chibok. Foto: APMulher participa de um protesto exigindo a libertação de meninas da escola secundária que foram raptadas da aldeia de Chibok, Nigéria. Foto: ReutersMulher segura cartaz durante manifestação sobre o sequestro das meninas de uma escola em Chibok, Nigéria (5/05). Foto: Reuters


Leia tudo sobre: NigériaBoko Haramgrupo terrorista

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas