EUA fecham embaixada no Iêmen em meio a crise política no país

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em janeiro, Washington havia anunciado suspensão de diversas operações antiterroristas por causa da turbulência interna

Agência Brasil

Os Estados Unidos confirmaram o encerramento das atividades de sua embaixada no Iêmen devido à possibilidade de ataques terroristas e à instabilidade do país. O governo norte-americano pediu aos seus cidadãos que abandonem o país o quanto antes.

Dezembro: Refém americano morre em tentativa de resgate no Iêmen

Xiitas iemenitas vestindo uniformes do Exército montam guarda em frente ao Parlamento durante reunião em Sanaa, Iêmen (9/02)
AP
Xiitas iemenitas vestindo uniformes do Exército montam guarda em frente ao Parlamento durante reunião em Sanaa, Iêmen (9/02)

Leia: Braço da Al-Qaeda no Iêmen divulga vídeo onde ameaça suposto refém americano

"Diante da deterioração da situação de segurança em Sanaa, o Departamento de Estado suspendeu as operações da embaixada no Iêmen e o pessoal foi retirado", informou o órgão.

"Todos os serviços consulares, de rotina e de emergência, foram suspensos até nova ordem. O Departamento de Estado pede a todos os cidadãos norte-americanos que evitem viajar para o Iêmen e a todos que vivem lá que abandonem o país", acrescentou.

A Embaixada dos Estados Unidos suspendeu os serviços em 26 de janeiro, na sequência da demissão do presidente do país, Abdu Rabu Mansur Hadi, após forte pressão do movimento rebelde xiita dos Huthi.

Em janeiro, Washington já havia anunciado a suspensão de diversas operações antiterroristas no Iêmen devido à turbulência interna.

O movimento xiita dos Huthi, hostil aos Estados Unidos, ocupou nos últimos meses edifícios governamentais e palácios presidenciais em Sanaa e já controla sete províncias iemenitas.

Leia tudo sobre: euaiemenembaixada

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas