Objetivo é proteger as profissionais da exploração por traficantes de seres humanos - e as famílias do embaraço

AP

A Prefeitura de Roma planeja criar uma zona oficial de  prostituição para proteger os profissionais da exploração e as famílias do embaraço.

A prostituição é legal na Itália e as prostitutas fazem parte da paisagem cotidiana de várias ruas de Roma e de outras cidades do país.

Leia também: As veteranas da prostituição no centro de SP

Desafio: Assista ao debate sobre a profissionalização da prostituição

Copa do Mundo frustra prostituição popular em São Paulo

Oficiais da gestão municipal no bairo EUR [ iniciais de Exposição Universal de Roma ], que abriga ministérios, arranha-céus corporativos e imóveis residenciais, querem destinar certas ruas para as prostitutas. O modelo será testado a partir de abril.

Palácio da Civilização Italiana, no bairo EUR, em Roma: ideia é ter ruas oficiais de prostituição
Alessandra Tarantino/AP - 22.12.09
Palácio da Civilização Italiana, no bairo EUR, em Roma: ideia é ter ruas oficiais de prostituição

O prefeito Ignazio Marino disse à TV estatal RAINews24 neste domingo (8) que o objetivo é "encontrar um equilíbrio" por meio da identificação de locais, como parques frequentados por crianças e famílias, onde a prostituição não vai ser permitida, e designar algumas ruas onde a prática será autorizada.

A exploração da prostituição é ilegal, assim como o pagamento por sexo a menores.

Andrea Santoro, que trabalha na gestão do EUR, diz que a oficialização de ruas para a prática ajudará a garantir que as prostitutas não vão ser exploradas por traficantes de seres humanos.

Muitas mulheres deixam seus lares na África e na Europa Oriental em direção à Italia após promessas de trabalho em restaurantes, mas acabam sendo forçadas a se prostituir por esses traficantes.

"Hipócrita operação de 'decoro urbano'", dizem bispos

Algumas associações de bairro gostaram da proposta. Paolo Lampariello, de um desses grupos, diz haver tantas prostitutas nas ruas do EUR que "as mulheres não podem nem mesmo entrar em casa sem serem confundidas" com elas.

O jornal Avvenire, da conferência episcopal italiana, atacou duramente a iniciativa como "uma hipócrita (e talvez ideológica) operação de 'decoro' urbano."

Pelo plano, a cidade irá oferecerr apoio psicológico e de saúde para as prostitutas que trabalhem nas ruas oficiais. Clientes das que estivessem nas ruas não-oficiais poderão ser multados em 500 euros (R$ 1.567).

Neste sábado (6), o Papa Francisco criticou a "praga vergonhosa" do tráfico de seres humanos e pediu orações e reflexões sobre o problema .

Marino tem raízes políticas no grupo mais centrista do Partido Democrático, o principal da coalizão que governa a Itália.

Veja imagens das veteranas da prostituição do centro de SP


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.