Colombiana Paulina Vega havia manifestado sua disposição em viajar a Cuba, onde têm ocorrido os diálogos com a guerrilha

Paulina Vega, colombiana, eleita Miss Universo
Getty Images/Alexander Tamargo
Paulina Vega, colombiana, eleita Miss Universo

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) convidaram a Miss Universo 2014, a colombiana Paulina Vega, a contribuir com as negociações de paz que os rebeldes travam com o governo desde 2012.

A proposta foi divulgada neste sábado (6) na página oficial das Farc na internet, após Paulina ter dito à imprensa local que estava disposta a ir a Cuba para participar do processo, segundo o jornal colombiano "El Tiempo".

Leia também: Farc declaram cessar-fogo unilateral e permanente

Farc e governo superam divergências e retomam diálogo em Cuba

Das Farc ao Estado Islâmico: Forbes enumera os grupos considerados terroristas mais ricos do mundo

Colombiana desbanca norte-americana e conquista o Miss Universo

"Lemos com interesse o seu desejo de contribuir com seus bons ofícios para alcançar a paz e a reconciliação entre os colombianos e colombianas", afirma o comunicado da guerrilha. "Saudamos sua disposição de viajar a Havana e a convidamos a materializar sua visita, para lhe expor o desenvolvimento do processo de conversações, os avanços e o enorme aporte que as grandes maiorias que desejam a paz e você podem aportar [ ao processo ]."

Nascidas na década de 1960 de um movimento esquerdista do campo e consideradas uma organização terrorista pelos Estados Unidos e a União Europeia, as Farc são a última grande guerrilha colombiana em atividade. Estima-se que tenha hoje menos da metade dos 20 mil militantes que chegou a ter no auge, no fim do século passado.

Após o fracasso da estratégia do governo Álvaro Uribe (2002-2010), que buscou exterminar o grupo, o atual presidente, Juan Manuel Santos (um ex-ministro do antecessor), deu início ao atual processo de paz em 2012. É a quarta tentativa do tipo.

O processo busca a cessação dos conflitos por meio da reintegração dos guerrilheiros das Farc na vida política do país, à semelhança do que a foi feito com outros grupos rebeldes.  Venezuela, Cuba, Chile e Noruega atuam no processo.




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.