Jordânia afirma ter destruído 20% da capacidade do Estado Islâmico

Por Ansa | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

País reforçou ataques após a morte do piloto Muath al Kasaesbeh

O Exército da Jordânia anunciou neste domingo (8) por meio de comunicado que já destruiu 20% da capacidade militar do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), após três dias de ataques contra os extremistas.

Segundo as Forças Armadas, as represálias pela morte do militar jordaniano Muath al Kasaesbeh, queimado vivo pelo EI, atingiram até o momento 56 alvos dos radicais.

Leia mais: Estado Islâmico queima piloto jordaniano vivo e divulga imagens na internet

Estado Islâmico decapita jornalista japonês

O Exército do país diz já ter destruído centros de coordenação, depósitos de armas e locais onde os milicianos dormiam e comiam.

Além disso, o comandante das Forças Armadas da Jordânia, Mansour al Jbour, prometeu continuar a ofensiva até o grupo ser "aniquilado".

Kayla Mueller, refém norte-americana do Estado Islâmico, morreu na terça-feira (10 de fevereiro); segundo o grupo terrorista ela teria sido vítima de um bombardeio da Jordânia na Síria . Foto: APEstado Islâmico divulga vídeo onde suposto piloto jordaniano é queimado vivo em gaiola, no dia 3 de fevereiro. Foto: Reprodução/TwitterO jornalista japonês Kenji Goto foi morto pelos extremistas do Estado Islâmico no dia 30 de janeiro. Ele havia viajado para a Síria visando libertar o refém Yukawa. Foto: APImagem obtida por meio de vídeo do Estado Islâmico mostra o japonês Haruna Yukawa (à dir.), que foi decapitado em 24 de janeiro. Ele foi à Síria por ser fascinado por guerras. Foto: APO americano Peter Kassig foi identificado como o homem decapitado pelo Estado Islâmico em 16 de novembro de 2014. Ele era voluntário na Síria. Foto: ReutersNo dia 3 e outubro de 2014, o voluntário inglês Alan Henning foi decapitado pelos terroristas do Estado Islâmico. Foto: Reprodução/YoutubeVídeo mostra decapitação do refém britânico David Haines, que era voluntário na Síria e foi morto em 13 de setembro de 2014. Foto: ReutersImagem feita a partir de vídeo postado na internet pelo Estado Islâmico mostra jornalista americano Steven J. Sotloff antes de ser decapitado, no dia 2 de setembro de 2014. Foto: APInsurgentes do grupo jihadista Estado Islâmico divulgaram a decapitação do jornalista americano James Foley em 19 de agosto de 2014. Foto: Reprodução/Youtube


Leia tudo sobre: Estado IslâmicoEIJordâniaretaliação

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas